Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.451,20
    +74,85 (+0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.442,21
    +436,10 (+0,97%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,75
    -0,40 (-0,49%)
     
  • OURO

    1.661,70
    -8,30 (-0,50%)
     
  • BTC-USD

    19.435,89
    +302,37 (+1,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,56
    +14,78 (+3,45%)
     
  • S&P500

    3.719,04
    +71,75 (+1,97%)
     
  • DOW JONES

    29.683,74
    +548,75 (+1,88%)
     
  • FTSE

    7.005,39
    +20,80 (+0,30%)
     
  • HANG SENG

    17.250,88
    -609,43 (-3,41%)
     
  • NIKKEI

    26.425,20
    +251,22 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    11.548,50
    -7,25 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2269
    -0,0057 (-0,11%)
     

Aluguéis oferecem roteiro sobre rumo da inflação nos EUA

(Bloomberg) -- A tentativa do Federal Reserve de obter uma leitura clara da inflação pós-pandemia focou a atenção em indicadores que elevam os custos de moradia nos Estados Unidos. Por isso, o que acontece com a inflação dos aluguéis influenciará em grande parte o futuro da política monetária.

A boa notícia é que o custo dos aluguéis pode estar perto de atingir um pico, depois de avançar quase 6% nos 12 meses até julho. A má notícia é que vai demorar um pouco para voltar aos níveis pré-coronavírus.

E isso significa que as autoridades do Fed manterão os juros altos por algum tempo.

“Se você for o Fed e estiver tentando baixar a inflação, tem que martelar um pouco o mercado de trabalho, no sentido de que é isso que vai ajudar a empurrar a inflação das moradias para baixo”, disse Omair Sharif, presidente da Inflation Insights em Pasadena, Califórnia. A maioria dos outros preços, ao mesmo tempo, está “fora do controle (do Fed)”, avalia.

O relatório do Departamento de Trabalho com os preços ao consumidor a ser divulgado nesta terça-feira deve mostrar que o chamado núcleo da inflação, um indicador acompanhado de perto que exclui os preços voláteis de alimentos e energia, subiu 0,3% em agosto, após aumento semelhante em julho.

Embora o resultado possa marcar uma desaceleração nos últimos 12 meses, ainda seria elevado em comparação com os anos anteriores à pandemia. Tampouco é provável que faça o Fed desistir de aplicar uma terceira elevação consecutiva de 0,75 ponto percentual quando se reunir entre os dias 20 e 21 de setembro.

“Espero ver aumentos consideráveis neste componente da inflação por um tempo, à medida que a recente alta dos novos aluguéis entre nos indicadores de preços agregados”, disse na sexta-feira o governador do Fed, Chris Waller. “Porém, em algum momento no início do próximo ano, espero ver a pressão ascendente dessas forças sobre a inflação diminuir.”

Grande peso

Os aluguéis sempre foram importantes para indicadores de inflação, devido ao forte peso na maioria dos orçamentos familiares: esses custos respondem por pouco mais de 30% do índice de preços ao consumidor e cerca de 40% do núcleo.

Mas, durante a pandemia, com o avanço da inflação, outros componentes de menor peso – como veículos usados – registraram valorização dos preços sem precedentes e também se tornaram os principais fatores de alta desses indicadores.

Domínio do aluguel

Mas, em última análise, esses componentes também acabam sendo dominados pelo aluguel. Em parte, porque esse item é muito maior do que qualquer outro componente. Mas também porque o custo de moradia tende a ser um dos componentes mais persistentes e menos voláteis, o que significa que raramente – ou nunca – acaba sendo filtrado.

Para analistas, isso destaca a importância de compreender os fatores que impulsionam a provável trajetória da inflação dos aluguéis.

O custo de moradia está alto agora em parte devido à economia forte: historicamente, aluguéis e salários estão intimamente correlacionados, e o salário médio por hora tem aumentado de forma sólida.

Nesse contexto, qual o rumo dos aluguéis? O CPI tende a mostrar atraso em relação aos indicadores de inflação do setor privado sobre novos contratos de aluguel, porque a maioria dos inquilinos não muda de um ano para o outro. Assim, há certa visibilidade para as previsões.

Depois de subirem em 2021, modelos que usam dados sobre a inflação de novos aluguéis calculados por empresas como Zillow e Apartment List atingiram uma máxima este ano e agora mostram desaceleração, disse Alan Detmeister, economista do UBS Securities, em Nova York.

O índice de preços ao consumidor que acompanha a inflação dos aluguéis deve seguir essa tendência, embora com longa defasagem. Detmeister vê a inflação dos aluguéis acima de 7% no início do próximo ano – e até o fim de 2024 permanecerá elevada, em cerca de 4,5%, acima do nível pré-pandemia.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.