Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    +0,25 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -3,70 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    19.197,91
    -97,43 (-0,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    +22,75 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3040
    +0,0060 (+0,11%)
     

Aluguéis e alimentos impulsionam preços ao consumidor nos EUA

Consumidores compram alimentos em supermercado, em Nova York, EUA

Por Lucia Mutikani

WASHINGTON (Reuters) - Os preços ao consumidor nos Estados Unidos subiram inesperadamente em agosto e a inflação subjacente aumentou em meio à alta dos custos de aluguéis e despesas de saúde, dando ao Federal Reserve munição para entregar a terceira alta de 75 pontos-base sua taxa de juros na próxima quarta-feira.

As leituras de inflação altas divulgadas pelo Departamento do Trabalho nesta terça-feira vieram após dados recentes mostrando a resiliência do mercado de trabalho. Os relatórios sugerem que a inflação pode permanecer elevada por algum tempo. O chair do Fed, Jerome Powell, reiterou na semana passada que o banco central norte-americano está "fortemente comprometido" com o combate à inflação.

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) subiu 0,1% no mês passado, após ficar inalterado em julho. A queda de 10,6% nos preços da gasolina foi compensada por aumentos nos aluguéis, alimentação e saúde. Os preços dos alimentos subiram 0,8%, com o custo dos alimentos consumidos em casa aumentando 0,7%. Os consumidores também pagaram mais pela eletricidade e pelo gás natural.

Economistas consultados pela Reuters previam que o CPI cairia 0,1%. Nos 12 meses até agosto, o índice aumentou 8,3%. Embora isso tenha sido uma desaceleração em relação ao aumento de 8,5% em julho, a inflação está muito acima da meta de 2% do Fed.

Além do dilema que os números da inflação de agosto apresentam ao Fed, eles também são uma dor de cabeça para o governo Biden e para os democratas do Congresso que esperam limitar suas perdas nas eleições de meio de mandato de novembro, que devem colocar a Câmara dos Deputados nas mãos dos republicanos.

Embora o CPI anual tenha atingido um pico de 9,1% em junho, que foi o maior ganho desde novembro de 1981, ele permaneceu acima de 8% por seis meses consecutivos. Com apenas mais um relatório do CPI antes do dia da eleição, é improvável que os números saiam desta margem antes de os americanos irem às urnas.

Autoridades do Fed se reúnem na próxima terça e quarta-feira para sua reunião regular de política monetária. Os mercados financeiros preveem um aumento de 75 pontos-base na próxima quarta-feira, de acordo com a ferramenta FedWatch da CME.

O Fed elevou sua taxa básica duas vezes em 75 pontos-base, em junho e julho. Desde março, elevou essa taxa de quase zero para sua faixa atual de 2,25% a 2,50%.

Excluindo os componentes voláteis de alimentos e energia, o CPI subiu 0,6% em agosto, após avançar 0,3% em julho. Economistas previam alta de 0,3% para o chamado núcleo do CPI.

Nos 12 meses até agosto, o núcleo do CPI teve alta de 6,3% após alta de 5,9% em julho.

(Reportagem de Lucia Mutikani)