Mercado abrirá em 4 h 43 min
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,43
    +0,52 (+0,73%)
     
  • OURO

    1.859,30
    -20,30 (-1,08%)
     
  • BTC-USD

    39.535,20
    +4.196,60 (+11,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    984,99
    +43,18 (+4,58%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.154,95
    +20,89 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.019,00
    +24,75 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1908
    -0,0018 (-0,03%)
     

Alto preço do carvão não deve gerar investimento em novas minas

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Os preços do carvão estão no nível mais alto dos últimos anos, mas isso não é suficiente para estimular investimentos em novas minas diante dos esforços de governos e instituições financeiras para que o mundo abandone o mais poluente dos combustíveis fósseis.

Os preços sobem da China à Europa conforme a demanda por carvão se recupera do impacto do coronavírus e interrupções temporárias em minas reduzem a oferta. No entanto, empresas continuam hesitantes em investir em novos projetos devido à dificuldade de financiamento e dúvidas sobre a demanda de longo prazo.

Isso beneficia os lucros de mineradoras, mas vai contra a tendência do ciclo típico das commodities, em que preços altos são um sinal para aumentar a produção e, no longo prazo, trazer o mercado de volta ao equilíbrio. A atual dinâmica destaca como as metas ambientais estão mudando os padrões de investimento em combustíveis fósseis.

“Esperamos que a maioria das mineradoras de carvão que exportam para o mercado transoceânico busquem absorver o atual aumento dos preços do carvão para reforçar os balanços patrimoniais, em vez de se comprometerem com nova oferta”, disse Viktor Tanevski, analista-chefe da Wood Mackenzie. “Ainda existem projetos que estão em construção ou prontos para construção que podem ser acelerados para aliviar as pressões de preço.”

A forte atividade industrial nas principais economias tem impulsionado o consumo de carvão, enquanto o fornecimento é limitado por várias questões, como fortes chuvas na Indonésia, medidas de segurança em minas na China e greves na Colômbia. Na Europa, a demanda aumentou de 10% a 15% este ano, pois o inverno mais rigoroso do que o normal esgotou as reservas de gás, de acordo com a Axpo Solutions.

Os futuros de carvão de alta qualidade no porto de Newcastle, na Austrália, subiram para US$ 118,50 a tonelada na quarta-feira, o maior nível desde 2012. Os preços na China, maior consumidor de carvão do mundo, acumulam alta de 34% desde o final de fevereiro e subiram tanto que o governo considera impor um limite. Nos EUA, os preços avançaram 3,1%, para o maior patamar desde o final de 2019 nas quatro semanas até 4 de junho na região dos Apalaches, que está mais bem posicionada para aproveitar as vantagens da crescente demanda por exportações.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.