Mercado abrirá em 40 mins
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,10
    -1,29 (-3,45%)
     
  • OURO

    1.878,40
    -0,80 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    13.119,69
    -43,70 (-0,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    259,45
    -13,24 (-4,85%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.599,55
    +16,75 (+0,30%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.224,75
    +92,00 (+0,83%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7190
    -0,0154 (-0,23%)
     

Alternativa para desoneração ainda não está pronta, diz líder do governo na Câmara

·1 minuto de leitura
.
.

BRASÍLIA (Reuters) - O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), afirmou nesta sexta-feira que o governo ainda estuda alternativas para desonerar a folha de pagamento de maneira ampla, decisão que seria compensada pela criação de um novo imposto.

O líder afirmou, em entrevista à CNN, que o tema foi discutido em reunião técnica nesta sexta e deve ser objeto de novas conversas no sábado.

"O governo decidiu que quer desonerar a folha. Para fazer isso, o governo precisa substituir por um imposto e está sugerindo esse, que é um imposto de base ampla que todos pagam", disse Barros.

"Essa proposta não está pronta ainda. Tivemos reuniões técnicas hoje, teremos outra reunião amanhã às 14h30 da tarde", declarou.

Segundo ele, um dos que comandam a nova fase de articulação política do governo, uma vez definida pela equipe econômica, a proposta será submetida a uma avaliação da Casa Civil, da Secretaria de Governo, e só depois apresentada ao presidente Bolsonaro. Só então, explicou, ela será levada a líderes da base do governo, que poderão oferecer sugestões e somente depois de todo esse trajeto é que um texto deve ser divulgado abertamente.

"A gente não quer mais ficar falando coisas para a mídia que depois o próprio governo vai dizer que não concorda. Essa é a nova articulação, que combina primeiro, anuncia depois", explicou, acrescentando que dessa forma o governo pretende reduzir "ruídos".

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)