Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.185,85
    -78,06 (-0,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Altas de juros no México devem fortalecer peso com carry trade

(Bloomberg) -- O rali do peso mexicano, que teve o melhor desempenho entre moedas de mercados emergentes no último mês, está prestes a ganhar mais impulso com prováveis aumentos de juros do banco central do país, enquanto no Brasil as taxas parecem ter atingido o pico.

O peso ganhou 4,2% em relação ao dólar no mês passado, mesmo quando um indicador importante da força do dólar em relação às principais moedas subiu para nível recorde. A moeda mexicana se saiu bem melhor do que o real brasileiro no período, depois de ficar atrás durante a maior parte do ano.

Isso provavelmente continuará. A curva de swaps no México agora precifica cerca de 1,3 ponto percentual de alta de juros para o resto do ano, com a taxa básica a pouco menos de 10% em dezembro e nenhum corte antes do segundo semestre do próximo ano. Por outro lado, os mercados brasileiros não precificam praticamente nenhum aumento à frente e mais de 2,5 ponto percentual de cortes em 2023.

Some a isso a incerteza sobre as eleições brasileiras em outubro e as perspectivas para o peso em relação ao real parecem muito mais animadoras.

Embora a Selic esteja atualmente em 13,75%, acima da taxa básica do México, o real já ficou menos atraente baseado na relação risco-retorno, com um carry ajustado à volatilidade atrás do peso.

O peso “se sai bem em termos de carry ajustado à volatilidade”, disseram analistas do Citigroup liderados por Dirk Willer, chefe de estratégia de mercados emergentes, em nota aos clientes. A moeda mexicana também se beneficia de menos “ruído político do que seus pares e um banco central que ainda precisa entregar mais aumentos”, disseram.

Greg Anderson, chefe global de estratégia cambial do Bank of Montreal, tem outra sugestão para lucrar com o aumento de juros no México. Ele recomenda uma posição longa em peso contra o castigado iene japonês.

“Há um carry enorme e a moeda deve se beneficiar desse cenário”, disse Anderson. Até agora este ano, o peso ficou entre as moedas de melhor desempenho e o iene entre as piores.

Essa aposta já é a mais lucrativa entre as principais moedas, rendendo 10,75% no mês passado - incluindo um ganho de 9,75% nos preços à vista e um retorno de carry de 0,9% - superando com folga os lucros de 8,7% e 5,5% dos pares real-iene e dólar-iene. Na quinta-feira, o iene se enfraqueceu além do nível de 140 por dólar para o nível mais baixo desde 1998.

“O México continuará subindo juros”, disse Sergio Zanini, sócio e gerente da Galapagos Capital em São Paulo. “A economia dos EUA é resistente, o que ajuda o peso, e um Fed hawkish versus um Banco do Japão dovish mantém o iene sob pressão.”

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.