Mercado abrirá em 6 h 49 min
  • BOVESPA

    106.924,18
    +1.236,18 (+1,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.579,90
    +270,60 (+0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,92
    -1,57 (-1,42%)
     
  • OURO

    1.805,70
    -2,50 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    29.971,27
    +199,49 (+0,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    674,26
    -6,85 (-1,01%)
     
  • S&P500

    4.023,89
    +93,81 (+2,39%)
     
  • DOW JONES

    32.196,66
    +466,36 (+1,47%)
     
  • FTSE

    7.418,15
    +184,81 (+2,55%)
     
  • HANG SENG

    19.953,71
    +54,94 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.549,38
    +121,73 (+0,46%)
     
  • NASDAQ

    12.314,75
    -68,00 (-0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2529
    -0,0062 (-0,12%)
     

Alta no preço do Fiat Pulse vira caso na Justiça; entenda o motivo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A Fiat lançou o Pulse, primeiro SUV nacional da montadora, em outubro de 2021 e desde então o carro tem sido um sucesso absoluto de vendas. Fora das ruas, no entanto, ele levou a marca da Stellantis aos tribunais.

A confusão começou na pré-venda do carro. Á época, a Fiat estava pedindo um sinal de R$ 3 mil aos clientes interessados em assegurar seu exemplar antes de as vendas ao público geral serem iniciadas.

O problema é que, em dezembro, o Pulse sofreu um reajuste de R$ 4 mil no preço, e ele foi repassado inclusive a quem já havia deixado o sinal para garantir o valor de lançamento do SUV, mais baixo.

Em entrevista à Quatro Rodas, um dos primeiros compradores do Pulse revelou ter entrado na Justiça para fazer valer seus direitos. Segundo Victor Nunes, no voucher inicial não havia qualquer menção de que o valor acertado na pré-venda estaria sujeito a reajustes.

Voucher do cliente não falava nada sobre reajustes (Imagem: Reprodução/Quatro Rodas)
Voucher do cliente não falava nada sobre reajustes (Imagem: Reprodução/Quatro Rodas)

Segundo ele, após dar R$ 3 mil de sinal, estariam faltando R$ 78.490 do valor total, que era de R$ 81.490. Ao procurar a Fiat, no entanto, foi informado que o valor total não era mais aquele, e sim R$ 85.490.

Briga nos tribunais

A solução, após procurar a Fiat e não obter o retorno esperado, foi procurar a Justiça. Após encontrar outros clientes na mesma situação, em uma busca por grupos de WhatsApp e redes sociais, abriu a denúncia junto ao Ministério Público e, então, impetrou a ação.

A decisão da Justiça foi favorável a Victor e, segundo o Ministério Público do Rio Grande do Norte, outros clientes que passaram por situação similar também podem solicitar a devolução dos R$ 4 mil do aumento.

O Notícias Automotivas teve acesso ao documento e ele explica que, a contar de 25 de abril de 2022, a Promotoria da Defesa do Consumidor dá um prazo de 15 dias para o envio da documentação para que, deste modo, consiga assegurar o direito ao ressarcimento.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos