Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    60.843,86
    -1.241,38 (-2,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

'A alta no preço dos combustíveis não depende do ICMS dos estados', diz Doria após proposta de Lira

·1 minuto de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 21.10.2020 - O governador de São Paulo, João Doria (PSDB). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 21.10.2020 - O governador de São Paulo, João Doria (PSDB). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou ao jornal Folha de S.Paulo nesta terça (5) que "a alta no preço dos combustíveis não depende do ICMS dos estados" e culpou a situação política do Brasil pelo preço do dólar.

​"A instabilidade política do Brasil gera desconfiança no mercado internacional e coloca o dólar em alta permanentemente", disse o governador. "O gás também sobe absurdamente e não tem nada com ICMS dos estados".

"Falta competência a este governo. Sobra improviso e irresponsabilidade", acrescentou.

As afirmações do tucano são respostas à proposta de acordo do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), a partidos da base e da oposição para que o ICMS (imposto estadual) incida sobre o preço médio dos combustíveis nos últimos dois anos para reduzir o valor da gasolina.

Lira estabeleceu como uma de suas prioridades reduzir o preço dos combustíveis, em meio a ataques aos repasses de preços praticados pela Petrobras e a críticas aos estados por não quererem diminuir suas alíquotas de ICMS.

O presidente da Câmara se reuniu na noite de segunda-feira (4) com líderes da base para negociar um texto. A intenção inicial era votar a proposta nesta terça-feira (5), depois de conversar com a oposição. A votação, porém, ficou para quarta-feira da próxima semana.

O ICMS atualmente é calculado com base em um preço de referência, conhecido como PMPF (preço médio ponderado ao consumidor final), revisto a cada 15 dias de acordo com pesquisa de preços nos postos. Sobre esse valor, são aplicadas as alíquotas de cada combustível.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos