Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.868,24
    +2.489,32 (+2,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.845,27
    +578,07 (+1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,83
    +1,77 (+4,11%)
     
  • OURO

    1.802,50
    -35,30 (-1,92%)
     
  • BTC-USD

    19.187,96
    +735,99 (+3,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,99
    +11,24 (+3,04%)
     
  • S&P500

    3.631,81
    +54,22 (+1,52%)
     
  • DOW JONES

    30.017,07
    +425,80 (+1,44%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.076,00
    +170,75 (+1,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3947
    -0,0456 (-0,71%)
     

Alta no preço de alimentos faz governo elevar projeção de inflação para 2020 e 2021

FÁBIO PUPO E LARISSA GARCIA
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Em meio à alta registrada nos preços dos alimentos, o governo elevou a previsão de inflação para este ano e para o ano que vem. A expectativa para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) em 2020 subiu de 1,8% para 3,1%. O Ministério da Economia diz que o principal responsável pela elevação da projeção foi o grupo alimentício, que mostrou elevação durante a pandemia. O governo já cortou tarifas de importação sobre arroz, milho e soja para tentar conter os preços. A inflação acumulada do IPCA em 12 meses do grupo Alimentação no Domicílio, após atingir um valor mínimo de 5,06% em março, acelerou até alcançar 18,41% em outubro (último dado disponível). "Contudo, o comportamento das demais categorias de produtos continua contribuindo de forma a manter a variação do índice geral dentro do intervalo de tolerância", afirma a Secretaria de Política Econômica. O grupo Alimentação no Domicílio é composto de 16 itens dos quais 4 que mais chamam atenção em termos de impacto de inflação no domicílio em outubro. São eles Cereais, leguminosas e oleaginosas (58,59% de alta acumulada em 12 meses), Tubérculos, raízes e legumes (21,69%); Carnes (36,42%); e Óleos e gorduras (49,61), este último com destaque para Óleo de soja (85,78%). Por outro lado, diz o Ministério, alimentação fora do domicílio apresentou variação de 4,69%. Atualmente, a meta de inflação encontra-se em 4% ao ano, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos. Para 2021, a previsão é que o IPCA suba ainda mais, para 3,2% (em setembro, a previsão era de 2,94%). No ano que vem, a meta de inflação é de 3,75% (também com 1,5 ponto percentual de tolerância). A previsão de queda do PIB (Produto Interno Bruto) neste ano caiu de 4,7% para 4,5%. De acordo com o Ministério da Economia, a mudança reflete os resultados positivos dos principais indicadores mensais, com destaque para a agricultura. O presidente do BC reafirmou, em evento virtual da Febraban (Federação Brasileira de Bancos) nesta terça-feira (17), que a alta nos preços observada nos últimos meses, especialmente de alimentos, deve ser temporária. "Existem dois grupos de economistas, um está mais preocupado com a inflação, mas entende que as expectativas ainda estão na meta, outro, como nós, acreditam que é uma pressão temporária", avaliou. Ele atribuiu a aceleração da inflação ao câmbio, ao auxílio emergencial e ao que chamou de "efeito substituição". "Como as pessoas não estão gastando com serviços e viagens, há essa poupança circunstancial, o que leva a esse efeito e aumento da alimentação no domicílio", explicou. "É importante destacar que o BC está olhando [para a inflação] e monitorando", completou.