Mercado abrirá em 2 h 17 min
  • BOVESPA

    111.399,91
    +2.506,91 (+2,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.895,63
    +1.116,73 (+2,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,71
    +0,16 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.827,10
    +8,20 (+0,45%)
     
  • BTC-USD

    19.166,34
    +187,08 (+0,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    375,78
    -4,08 (-1,07%)
     
  • S&P500

    3.662,45
    +40,82 (+1,13%)
     
  • DOW JONES

    29.823,92
    +185,32 (+0,63%)
     
  • FTSE

    6.389,65
    +4,92 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.532,58
    -35,10 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.800,98
    +13,44 (+0,05%)
     
  • NASDAQ

    12.446,25
    -6,00 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2993
    -0,0077 (-0,12%)
     

Alta nas exportações da Alemanha dão esperanças de evitar contração no 4º tri

·1 minuto de leitura
Carros para exportação no porto de Bremerhaven, Alemanha
Carros para exportação no porto de Bremerhaven, Alemanha

BERLIM (Reuters) - As exportações da Alemanha subiram mais do que o esperado em setembro, e o comércio exterior deu à maior economia da Europa impulso às vésperas do quarto trimestre.

As exportações ajustadas sazonalmente subiram 2,3% no mês após avanço revisado para cima de 2,9% em agosto, informou a Agência Federal de Estatística. As importações caíram 0,1% depois de ganho de 5,8% no mês anterior. O superávit comercial avançou foi de 17,8 bilhões de euros, disse a agência.

Economistas consultados pela Reuters esperavam alta de 2,0% das exportações e de 2,1% das importações. A projeção para o superávit comercial era de 15,8 bilhões de euros.

"Olhando para a frente, as exportações (e produção industrial) podem ainda impedir que a economia caia em uma depressão pelo segundo lockdown no último trimestre do ano", disse o economista do ING Carsten Brzeski.

A economia alemã cresceu um recorde de 8,2% no terceiro trimestre com maiores gastos dos consumidores e exportações, mas uma agressiva segunda onda de infecções e novo lockdown parcial estão prejudicando as perspectivas para o quarto trimestre e além.

(Por Paul Carrel)