Mercado fechado
  • BOVESPA

    104.027,55
    +3.252,98 (+3,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.940,30
    +933,14 (+1,87%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,94
    +1,37 (+2,09%)
     
  • OURO

    1.769,40
    -14,90 (-0,84%)
     
  • BTC-USD

    56.869,30
    +0,11 (+0,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.447,94
    +9,06 (+0,63%)
     
  • S&P500

    4.577,10
    +64,06 (+1,42%)
     
  • DOW JONES

    34.639,79
    +617,75 (+1,82%)
     
  • FTSE

    7.129,21
    -39,47 (-0,55%)
     
  • HANG SENG

    23.788,93
    +130,01 (+0,55%)
     
  • NIKKEI

    27.753,37
    -182,25 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.991,75
    +122,00 (+0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3758
    -0,0710 (-1,10%)
     

Alta na conta de luz pode ajudar Huawei a vender equipamentos 5G para operadoras

·2 min de leitura

Com a conclusão do Leilão do 5G, as operadoras que adquiriram lotes para a instalação da nova rede já começam a negociar a compra de equipamentos, pois o serviço tem previsão de início até julho de 2022 nas capitais do país. E a chinesa Huawei deve ser a principal fornecedora desses itens.

A empresa deve ter uma ajuda improvável: a crise hídrica. Seus produtos garantem economia de energia e, com eles, a operação fica cerca de 30% mais barata do que com outro fornecedor. Isso é crucial no Brasil atualmente, já que a escassez de chuvas fez o preço da energia elétrica atingir um patamar bastante elevado.

Nesse cenário, a Huawei se tornou a principal opção de Claro, Tim e Vivo. Além delas, ao menos três das seis novatas — que vão atuar de forma regional — estudam propostas da companhia. Uma é a Algar, que comprou lotes 5G no Centro-Oeste. Praticamente toda a rede atual da empresa, em Minas Gerais, Goiás e São Paulo, usa equipamentos da Huawei.

Crise hídrica favorece Huawei (Imagem: Divulgação/Huawei)
Crise hídrica favorece Huawei (Imagem: Divulgação/Huawei)

Instalação de antenas

Ainda falta adequar a legislação para começar a instalação das antenas para essas redes. Embora haja uma Lei Geral de Antenas, cada município precisa definir aspectos próprios.

Segundo a Conéxis, que representa as operadoras, somente sete cidades brasileiras têm essa regulamentação: Boa Vista, Brasília, Curitiba, Fortaleza, Palmas, Porto Alegre e Porto Velho. São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte têm projetos em tramitação nas câmaras municipais.

A viabilidade comercial da tecnologia ainda não foi testada na prática e o preço elevado pode ser um impeditivo para a massificação do serviço. Projeções iniciais da área técnica da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) apontam que a venda de pacotes 5G só terá sucesso em cerca de 60 municípios do país.

Inicialmente, a estimativa era que os pacotes pudessem custar até 25% mais que os planos atuais de 4G. A crise econômica, entretanto, deve cortar esses preços para que se tornem mais atraentes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos