Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.428,44
    +368,13 (+1,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Alta dos juros significa que dívida não pode ser ignorada, diz chefe do BC francês

PARIS (Reuters) - Taxas de juros mais altas tornam ainda mais importante que os níveis de dívida governamental pós-pandemia sejam levados a patamares mais sustentáveis, disse o chefe do banco central francês, François Villeroy de Galhau, nesta terça-feira.

A França fez empréstimos pesados para estabilizar sua economia ​​durante a pandemia, o que empurrou a dívida pública de pouco menos de 100% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2019 para quase 113% no ano passado.

"Nosso conselho de diretores fará o que for necessário para cumprir nosso mandato primário de estabilidade de preços, não tenha dúvidas sobre isso", afirmou Villeroy, que também faz parte do conselho do Banco Central Europeu.

"Portanto, é ainda mais importante que as autoridades orçamentárias garantam a sustentabilidade da dívida à medida que as taxas de juros aumentam", acrescentou.

O banco central francês estima que cada aumento de 1 ponto percentual nas taxas de juros ao longo do tempo eleva os custos anuais do serviço da dívida do país em 40 bilhões de euros (42 bilhões de dólares), quase o mesmo valor do orçamento de defesa.

A França poderia reduzir a dívida para menos de 100% do PIB em uma década se limitasse o crescimento dos gastos a 0,5% ao ano, metade dos mais de 1% observados em média na década anterior.

(Por Leigh Thomas)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos