Mercado abrirá em 7 h 18 min
  • BOVESPA

    108.376,35
    -737,80 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.006,11
    +197,55 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,20
    -1,30 (-1,66%)
     
  • OURO

    1.631,20
    -5,00 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    18.750,29
    -1.306,20 (-6,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    429,11
    -30,02 (-6,54%)
     
  • S&P500

    3.647,29
    -7,75 (-0,21%)
     
  • DOW JONES

    29.134,99
    -125,82 (-0,43%)
     
  • FTSE

    6.984,59
    -36,36 (-0,52%)
     
  • HANG SENG

    17.423,65
    -436,66 (-2,44%)
     
  • NIKKEI

    26.000,75
    -571,12 (-2,15%)
     
  • NASDAQ

    11.234,00
    -99,75 (-0,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1400
    -0,0199 (-0,39%)
     

Alta dos alimentos impede brasileiros de consumirem outros itens

Alto preço dos alimentos impediu a compra de bens de consumo pelos brasileiros
Alto preço dos alimentos impediu a compra de bens de consumo pelos brasileiros
  • 67% dos entrevistado citaram preço dos alimentos como principal motivo pelo abandono dos supérfluos;

  • Alta dos alimentos já atinge uma média de 15% nos últimos meses;

  • Pesquisa foi realizada pela PwC Brasil.

Uma nova pesquisa da PwC Brasil revelou que o principal fator limitante no consumo dos brasileiros tem sido o alto custo dos alimentos. De acordo com a empresa, a inflação fez com que a maior parte do orçamento familiar se direcionasse apenas para a sobrevivência, deixando produtos supérfluos de lado.

Cerca de 67% dos consumidores entrevistados afirmou que esta é a principal razão pela qual deixaram de consumir nos últimos meses. O segundo e o terceiro motivo mais citados foram relacionados ao frete, como descumprimento de prazos e demoras na entrega (44% e 43% das menções, respectivamente).

Para Luciana Medeiros, sócia da PwC Brasil, empresa especializada em consultoria e auditoria, a tendência do consumo das famílias brasileiras foi de ir "reduzindo até não comprar mais", disse.

"Então isso que foi acontecendo com o consumidor no decorrer desse primeiro semestre. Na verdade, isso começou em dezembro, o mercado sentiu bastante isso, a troca de itens, sempre por produtos de menor valor agregado, de menor custo, até o consumidor ou parar de consumir o produto, além da troca de marca, ou então ficar só com uma coisa, o valor dele reduzido.”

Segundo Medeiros, o aumento do Auxílio Brasil não deverá reverter esse cenário em um futuro tão próximo, uma vez que as famílias devem utilizar esse dinheiro para a compra de itens essenciais, como alimentação. A expectativa de alguns empresários era que o dinheiro acabasse sendo utilizado para a compra de itens com maior valor agregado.

“Porque no outro (pagamento de auxílio emergencial), ele foi pra isso, mas as pessoas começaram a adquirir linha branca, fogão, geladeira, esse tipo de coisa. Agora neste, como ficou um período sem receber, a gente acredita que esse valor vá direto pro (segmento) alimentar."