Mercado fechará em 6 h 25 min
  • BOVESPA

    121.087,07
    -26,86 (-0,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,11
    -0,02 (-0,03%)
     
  • OURO

    1.769,70
    -10,50 (-0,59%)
     
  • BTC-USD

    56.403,41
    +1.890,96 (+3,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.276,27
    -22,68 (-1,75%)
     
  • S&P500

    4.178,16
    -7,31 (-0,17%)
     
  • DOW JONES

    34.055,37
    -145,30 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.007,40
    -12,13 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    +2,00 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.958,25
    -71,25 (-0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7494
    +0,0633 (+0,95%)
     

Alta do desemprego trava mobilidade social e consumo da baixa renda, diz Moody's

EDUARDO CUCOLO
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A agência de classificação de risco Moody's publicou relatório nesta quinta-feira (11) sobre os efeitos do aumento do desemprego nos países da América Latina. Em relação ao Brasil, a agência destaca os efeitos negativos sobre a mobilidade no mercado de trabalho, a expansão da classe média e as finanças dos governos estaduais e municipais. A agência projeta crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) para o país de 3,3% em 2021, percentual insuficiente para recuperar a queda de 4,1% verificada em 2020. O Brasil tem hoje uma das maiores taxas de desemprego entre os principais países da região, de 13,9% em dezembro de 2020. México, Peru, Chile e Argentina, por exemplo, têm taxas menores. A agência destaca, no entanto, que os números do Brasil não mostram outro problema do mercado de trabalho, que é o aumento na contingente de pessoas que desistiu de procurar emprego. O texto destaca que, no Brasil, a pandemia interrompeu a lenta recuperação do mercado de trabalho após a recessão de 2014-2015. "Essa interrupção restringirá o aumento da mobilidade e o consumo entre as famílias de baixa renda", diz a agência. "Essas condições vão restringir os esforços para reduzir a pobreza e expandir a classe média." A Moody's afirma também que as baixas taxas de desemprego recordes no Brasil terão um impacto negativo sobre os estados e municípios como consequência da redução da arrecadação do Imposto de Renda dos trabalhadores. "A deterioração do mercado de trabalho provavelmente reduzirá o nível de transferências, o que será particularmente negativo para os estados mais dependentes de transferências", afirma a agência. "O aumento do desemprego também reduzirá o consumo, afetando estados e municípios que costumam ter forte geração de receita própria com impostos sobre produtos e serviços."