Mercado abrirá em 5 h 27 min
  • BOVESPA

    112.486,01
    +1.576,40 (+1,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.684,86
    +1.510,80 (+3,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,12
    -0,43 (-0,53%)
     
  • OURO

    1.795,90
    +36,00 (+2,05%)
     
  • BTC-USD

    17.103,94
    +238,30 (+1,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    405,27
    +4,57 (+1,14%)
     
  • S&P500

    4.080,11
    +122,48 (+3,09%)
     
  • DOW JONES

    34.589,77
    +737,24 (+2,18%)
     
  • FTSE

    7.573,05
    +61,05 (+0,81%)
     
  • HANG SENG

    18.860,48
    +263,25 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.249,28
    +280,29 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    12.065,25
    +23,00 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4083
    +0,0118 (+0,22%)
     

Alta do material escolar assusta e deve chegar a 30% em 2022

Custo de matérias-primas importadas pela indústrias varia de acordo com o dólar (Getty Images)
Custo de matérias-primas importadas pela indústrias varia de acordo com o dólar (Getty Images)
  • Escolas estão correndo atrás do prejuízo, de acordo com economista

  • Segundo coordenador do Ibre, aumento segue tendência mundial pós-pandemia

  • Confira algumas dicas para reduzir gastos de material escolar

O brasileiro não tem sossego. Nem a celebrada volta às aulas - após quase dois anos de interrupções e ensino online, à distância, por conta da pandemia - escapou das notícias ruins. Isso porque o material escolar, num geral, deve ter alta de preços de cerca de 30%. De acordo com a associação de fabricantes de setor, reajuste se deve por conta da influência do dólar no no custo de matérias-primas importadas pela indústrias. Reflexo do já citado COVID-19, segundo André Braz, coordenador dos índices de preços do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Leia também:

Tendência mundial

Em entrevista ao portal Estado de Minas, Braz destacou que tais reajustes não estão fora do que já era esperado - apesar de acima da inflação -, por acompanharem uma tendência mundial. Ainda segundo o coordenador do Ibre, ao mesmo tempo que as escolas cobraram menos durante a pandemia, onde houve diminuição na estrutura de custos, agora elas têm o direito de "recuperar o tempo perdido", sem que isso esteja na prateleira de uma estratégia perversa.

Aumento de custos

Já de acordo com o economista e empresário José Kobori, também em entrevista ao portal mineiro, esse aumento do material escolar também se deve ao aumento de custos das escolas - que teve de reajustar o salário de todos os funcionários seguindo a inflação. Além, é claro, de terem sido "obrigadas" (nem todas) a reduzir os valores de mensalidades durante o ano de 2020. Por conta disso, todos estes fatores acabaram influenciando no aumento do material escolar - que deve ter um acréscimo de cerca de 30%, segundo estimativa da Associação Brasileira de Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares (Abfiae).

Como reduzir os gastos

Para André Braz, da FGV, há maneiras inteligentes de se reduzir alguns gastos e se adequar à esse aumento um tanto quanto inesperado. O primeiro deles seria reaproveitar o material do último ano, que ainda estejam em boas condições. Depois, pode-se evitar materiais de marcas associadas a personagens, optando por um mais genérico, que possam ser customizados - os que estão atrelados a histórias infantis ou personalidades acabam ficando mais caros por envolverem custo extra de direitos autorais.