Mercado abrirá em 5 h 35 min
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,68
    +0,22 (+0,35%)
     
  • OURO

    1.765,70
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    61.439,98
    -1.847,89 (-2,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.360,14
    -20,81 (-1,51%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    7.015,71
    +32,21 (+0,46%)
     
  • HANG SENG

    29.018,05
    +224,91 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    13.989,50
    -24,50 (-0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7152
    -0,0059 (-0,09%)
     

Alta da Selic pode afetar próximo Plano Safra, avalia setor agrícola

Nayara Figueiredo
·3 minuto de leitura

Por Nayara Figueiredo

SÃO PAULO (Reuters) - A decisão do Banco Central de elevar a taxa básica de juros (Selic), anunciada nesta semana, tem potencial de afetar a estrutura do Plano Safra 2021/22, em momento em que o governo enfrenta dificuldades fiscais, avaliaram associações do setor agrícola.

Segundo a superintendente técnica adjunta da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Fernanda Schwantes, a Selic mais alta indiretamente vai elevar as taxas de juros para o crédito rural e não é bom sinal para o plano governamental, que normalmente oferece melhores condições de financiamentos.

"Esse efeito é indireto porque os bancos terão que remunerar melhor quando forem captar recursos (após a alta da Selic) e isso afeta o produtor que vai buscar crédito e será cobrado com juros maiores", disse.

Na quarta-feira, o Comitê de Política Monetária (Copom) subiu a taxa básica de juros em 0,75 ponto percentual para 2,75%, no primeiro aperto monetário em quase seis anos, e veio acima do esperado pelo mercado, que previa 0,50 ponto.

A superintendente da CNA ainda afirmou que a maneira que o governo utiliza para montar a subvenção do crédito rural pelo Plano Safra também tem relação com esse cenário de captação de recursos pelos bancos.

Soma-se o ambiente econômico de recessão em meio à pandemia, segundo Schwantes, dificilmente haverá uma condição melhor do que a apresentada no Plano Safra atual.

"Com o volume de recursos que o governo tem daria para manter os juros que temos hoje (no Plano Safra), mas com as contas públicas se deteriorando e o governo tendo que fazer várias opções, corremos o risco de reduzir o recurso... ou ter impacto nas taxas", explicou.

Desde julho do ano passado, o governo brasileiro disponibilzou o recorde de 236,3 bilhões de reais em recursos para financiamentos pelo Plano Safra 2020/21, alta de 6,1% em relação ao montante da temporada anterior, enquanto os juros recuaram.

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp), Fábio de Salles Meirelles, disse em nota que, com o novo contexto da Selic, o Plano Agrícola e Pecuário 2021/22 do governo federal assume importância ainda maior.

"Na edição 2020/21, ocorreram avanços importantes, mas os juros das linhas de crédito rural ainda ficaram acima da expectativa... as dificuldades orçamentárias do governo federal são conhecidas e a taxa básica de juros mais elevada implica exigência maior de recursos para os programas do Plano Agrícola e Pecuário", disse Meirelles.

Segundo ele, a Faesp está fazendo ampla consulta aos produtores paulistas sobre o novo plano, por meio dos sindicatos rurais, para formular sugestões "concretas e realistas" a serem encaminhadas ao Ministério da Agricultura.

Sobre a decisão do Copom de elevar a Selic, ele concordou que a consequência será o encarecimento do crédito rural nas instituições financeiras e dificultará sua contratação pelos produtores.

"Esperamos que esse aumento, no qual o Copom agiu com mão pesada, tenha rápido efeito na contenção da pressão inflacionária, para que os próximos ajustes eventualmente necessários sejam feitos em doses menores e com maior rapidez, a fim de acarretar menor impacto nos juros reais."

Contudo, ele lembrou que parte da pressão inflacionária tem origem em commodities cotadas em dólares, "de modo que elevar o juro não produzirá o efeito esperado".

O Copom, no entanto, deu sinalização de que haverá nova elevação na taxa básica de juros em breve.