Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.813,91
    +347,60 (+0,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Alta da inflação pode afetar rentabilidade das aplicações; entenda

·5 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As políticas de estímulo à economia para fazer frente à crise provada pela pandemia de Covid-19 e a expectativa de recuperação têm aumentado as estimativas de inflação para este e para o próximo ano.

Além de interferir nos gastos do dia a dia do consumidor, especialmente com combustível, energia e alimentos, o aumento da inflação também pode afetar a rentabilidade dos investimentos e exigir uma remanejamento de carteira para quem quiser se proteger da alta do índice.

Na prática, um aumento da inflação diminui a rentabilidade real (o que o investimento retornou de ganho menos a inflação) de todos os ativos. Isso significa que esses ativos precisam performar melhor para que consigam entregar a mesma rentabilidade dos tempos de inflação mais baixa.

Um investimento feito há um ano e que tenha rendido 7,5% no acumulado dos 12 meses até junho, por exemplo, ainda tem perda real, considerando o desconto da inflação de 8,13% medida pelo IPCA-15 (espécie de prévia do índice oficial) para o período.

Apesar de as estimativas para a inflação previstas no relatório Focus, do Banco Central, indicarem uma tendência de recuo desse patamar, as previsões vêm subindo.

A expectativa de inflação para este ano passou de 5,24% há quatro semanas para 5,90%, percentual acima do teto da meta do Banco Central, de 5,25%. Para 2022, quando o teto será de 5%, a estimativa foi de 3,67% para 3,78%.

O investidor pode escolher ativos atrelados à inflação ou que se beneficiam dela, ainda que indiretamente, para se proteger dessa alta. Entre as opções estão títulos do Tesouro Direto como as NTN-Bs -cuja rentabilidade é composta por uma taxa anual pactuada no momento da compra mais a variação do IPCA- e títulos de dívidas como debêntures incentivadas.

Para quem prefere mais risco, há ações de empresas que conseguem repassar a inflação a seus clientes, como aquelas associadas a commodities, de saneamento e de energia elétrica.

Para o sócio de desenvolvimento de negócios da Consulenza, Luis Gustavo Jorge Politi, ainda que o cenário de inflação persista um pouco mais e os títulos atrelados ao índice possam, de fato, demonstrar valorização, há ainda uma volatilidade embutida entre seis meses e um ano.

"Assim, a melhor resposta para o investidor é ter um portfólio diversificado que se adeque ao seu nível de risco. A ideia é ter algo que o proteja da inflação alta e outros ativos que se beneficiem com uma queda dos preços", afirma.

O vice-presidente de vida e previdência da SulAmerica Investimentos, Marcelo Mello, cita três dicas que o investidor deve avaliar três pontos para decidir sobre aplicações em ativos atrelados à inflação ou remanejamento de sua carteira.

A primeira, especialmente para que está começando agora e tem um perfil mais conservador, é aproveitar o momento de altas de juros para adquirir ativos convencionais e menos arriscados.

A segunda dica é a busca por informação. "Hoje existe muita coisa disponível em jornais, revistas, redes sociais e até no site do Tesouro. Procure ajuda antes de tomar uma decisão", diz Mello.

A terceira é cuidado em relação ao apetite por risco e perfil de investidor. "Se você ouviu um amigo dizendo que ganhou 30% em determinada alocação, por exemplo, questione. Não se impressione com esse retorno. Questione quanto ele poderia ter perdido e avalie se, caso você estivesse no lugar dele, teria estômago para aguentar essa perda", afirma.

É importante que o investidor também cheque seu perfil de risco e reavalie seu portfólio de investimentos em relação a ele.

"São questões muito simples e que podem fazer toda a diferença na tomada de decisão", completa Mello.

Levantamento feito pela Folha de S.Paulo com base em informações na base de dados da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) já apontou que o aumento dos preços se tornou um fenômeno global no primeiro semestre de 2021, e atinge praticamente todos os países economicamente relevantes.

De acordo com o economista-chefe da Necton, André Perfeito, a leitura da maioria dos bancos centrais é que essa elevação é transitória e que o impacto, principalmente vindo de commodities agrícolas e de energia, vai se dissipar ao longo do tempo.

Para Perfeito, a dinâmica acaba sendo um pouco mais complexa no caso brasileiro porque o país ainda tem uma economia muito indexada, ou seja, com reajustes atrelados a índices inflacionários.

"A alta das commodities passa pelo IGP-M [Índice Geral de Preços ao Mercado, usado no reajuste dos aluguéis], por exemplo, o que acaba retroalimentando a inflação. Soma-se isso às preocupações sobre as dinâmicas de racionamento de energia, que pode acabar arrastando um pouco de inflação para o ano que vem", diz.

Entre as pressões inflacionárias para as quais o investidor precisa ter atenção ao longo dos próximos meses, os especialistas reiteram as perspectivas de retomada da atividade econômica em um momento pós-lockdown, o ritmo de vacinação no país, os possíveis impactos da quebra na safra de grãos e a estimativa de uma possível piora fiscal diante do novo auxílio emergencial anunciado pelo governo e do ruído eleitoral para 2022.

Exemplos de investimentos para se proteger da inflação NTN-B

Título pós-fixado do Tesouro Direto, cuja rentabilidade é composta por uma taxa anual pactuada no momento da compra mais a variação da inflação

Debêntures Incentivadas

Títulos de dívida de empresas, cuja rentabilidade é formada por uma taxa fixa e uma taxa atrelada à variação da inflação

Ações

Papéis de empresas que conseguem repassar o preço da inflação para seus produtos ou serviços também podem ser beneficiadas, como companhias associadas a commodities, de saneamento e de energia elétrica

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos