Mercado abrirá em 6 h 35 min

Alta da carne foi antecipada para novembro e impacto em 2020 é incerto, diz BC

DANIELLE BRANT E FÁBIO PUPO
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 12.12.2019 - Restaurante Espetinhos B.A, na zona leste de São Paulo, que com a alta no preço das carnes teve que atualizar o cardápio para não ter prejuízo. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A alta da carne foi antecipada na inflação de novembro, o que reduz um eventual efeito sobre o índice de preços em 2020, embora o impacto ainda seja incerto, avaliou nesta quinta-feira (19) o diretor de Política Econômica do BC (Banco Central), Fabio Kanczuk.

As declarações foram feitas durante a apresentação do relatório trimestral de inflação. Pelas projeções do BC, o índice oficial de preços termina este ano em 4%. Para 2020, a estimativa é menor, de 3,7% --a meta estipulada pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) é de 4%.

A reavaliação ocorreu após o IPCA avançar 0,51% em novembro, puxado pela disparada no preço da carne, influenciado pelo aumento das exportações para a China.

Foi o maior resultado para novembro desde 2015, quando ficou em 1,01%. No acumulado de 12 meses, o IPCA acelerou de 2,54% em outubro para 3,27%. No acumulado do ano, ficou em 3,12%.

"Ele [o preço da carne] subiu forte e começou a cair. Isso vai se refletir na carne que está no IPCA. A hipótese inicial de trabalho é que uma parte considerável disso ia acontecer em 2020 só. Começou a aparecer antes do que se esperava, já na inflação de novembro. Um pouco mais rápido do que se tinha em mente", reconhece Kanczuk.

"Isso puxa a inflação de 2020 para 2019. E diminui o efeito que se tinha sobre 2020".O diretor diz que o BC trabalha com diferentes cenários para inflação no próximo ano, e que acompanha o preço dos contratos futuros de boi gordo para ter uma estimativa de impacto inflacionário. "Para 2020, o preço do boi gordo é constante. Isso se transmite para o preço da carne, de forma que tem defasagem."

Nesta quinta, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) defendeu a criação de gado em terras indígenas para reduzir o preço da carne no país.

Ele afirmou que pretende incluir a regulamentação da agricultura e pecuária comerciais em terras indígenas na proposta de liberação da atividade de mineração.

"O preço da carne subiu. Nós temos de criar mais bois aqui, para diminuir o preço da carne e eles podem criar boi", disse o presidente na entrada do Palácio do Alvorada.