Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.173,66
    +2.592,71 (+5,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Alphabet, dona do Google, atinge valor de US$ 2 trilhões

·2 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Alphabet, controladora do Google, quebrou nesta segunda-feira (5) a barreira dos US$ 2 trilhões (R$ 11,1 trilhões) em valor de mercado pela primeira vez, segundo informações da Bloomberg.

Após um período de semanas oscilando entre baixas e crescimentos moderados, as ações da empresa se recuperaram impulsionadas pelo crescimento em ganhos com publicidade e negócios em nuvem.

A Alphabet tem o melhor desempenho este ano entre as cinco maiores ações de tecnologia dos EUA e seus papéis de classe A, que no mercado americano equivalem às ações ordinárias da Bolsa brasileira, acumulam cinco sessões de altas.

No clube de empresas que tocaram a marca dos US$ 2 trilhões estão Apple e Microsoft, que atingiu o valor também neste ano.

A dona do Google havia superado a casa do US$ 1 trilhão (R$ 5,5 trilhões) pela primeira vez em janeiro de 2020, também segundo o levantamento da Bloomberg.

Analistas atribuem a valorização dos papéis da companhia a uma combinação de preço considerado ainda barato ante as taxas de crescimento maiores em relação aos seus pares, como a Amazon e a Microsoft.

Dos 49 analistas acompanhados pela Bloomberg que cobrem as ações, todos, exceto um, recomendam a compra de ações da Alphabet.

"Dada a exposição especialmente atraente da Covid, o engajamento e a monetização sempre crescentes do YouTube e a marcha do GCP [Google Cloud Platform] em direção à lucratividade, vemos motivos sólidos para possuir o ativo", escreveu Brad Erickson, analista da RBC Capital Markets no final de outubro, quando a Alphabet informou que as suas vendas do terceiro trimestre superaram as estimativas.

O lucro por ação da empresa deve chegar a quase US$ 130 (R$ 723) em 2023, segundo a média das estimativas de analistas compiladas pela Bloomberg, ou quase o triplo dos US$ 44 reportados em 2018.

Além do sucesso do segmento de nuvem estar perto do ponto ideal, a Waymo, empresa de desenvolvimento de tecnologia para carros autônomos que possui participação da Alphabet, poderia adicionar outro estímulo para a expansão do mercado da empresa, segundo Mandeep Singh, analista da Bloomberg Intelligence.

Investidores interessados em surfar na alta da dona do Google até podem obter ganhos, mas a expectativa é que a valorização seja apenas moderada nos próximos meses, segundo Matt Peron, diretor de pesquisa da Janus Henderson Investors, em entrevista à Bloomberg.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos