Mercado abrirá em 6 h 30 min
  • BOVESPA

    112.282,28
    +2.032,55 (+1,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.338,34
    +510,21 (+1,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,33
    +0,10 (+0,14%)
     
  • OURO

    1.762,90
    -15,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    43.789,57
    +1.721,07 (+4,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.101,15
    +60,67 (+5,83%)
     
  • S&P500

    4.395,64
    +41,45 (+0,95%)
     
  • DOW JONES

    34.258,32
    +338,48 (+1,00%)
     
  • FTSE

    7.083,37
    +102,39 (+1,47%)
     
  • HANG SENG

    24.391,17
    +169,63 (+0,70%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.182,25
    +18,75 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2196
    +0,0108 (+0,17%)
     

Alison dos Santos: o incrível recorde de brasileiro ofuscado por bronze em Tóquio

·3 minuto de leitura
Alison dos Santos, o Piu
Alison dos Santos, o Piu, foi medalha de bronze nos 400m com barreira

O corredor Alison dos Santos, conhecido como Piu, conquistou na terça-feira (3/8) a primeira medalha brasileira no atletismo na Olimpíada de Tóquio 2021 ao chegar em terceiro lugar na prova dos 400 metros com barreira.

A posição no pódio, no entanto, "ofuscou" uma marca importante obtida por Piu: ele correu o quarto melhor tempo da história dos 400 metros com barreira — estabelecendo um novo recorde brasileiro e sul-americano.

O brasileiro fez a prova em 46s72 — menos de um segundo atrás do campeão da prova, o norueguês Karsten Warholm, que marcou 45s94 e estabeleceu novo recorde mundial. A prata ficou com o americano Rai Benjamin (46s17).

Piu correu apenas dois centésimos mais devagar que o recorde mundial anterior, de 46s70, que também pertencia a Warholm. Essa marca havia sido obtida por ele em Oslo no mês passado, e o recorde até então na prova era um dos mais antigos no atletismo.

Por 29 anos, o recorde mundial dos 400 metros com barreira foi de 46s78, do americano Kevin Young, nos Jogos de Barcelona 1992. Na terça-feira, Santos conseguiu correr seis centésimos de segundo mais rápido do que isso.

Uma prova, seis recordes batidos

Alison dos Santos, Warholm e Benjamin
Warholm (centro) bateu o novo recorde mundial; Benjamin (direita) e Alison dos Santos (esquerda) foram prata e bronze

O trio que subiu ao pódio em Tóquio foi o único a conseguir correr abaixo dos 47s. O próprio norueguês havia advertido no mês passado que, para conseguir conquistar o ouro em Tóquio, seria preciso provavelmente bater o recorde mundial, já que outros corredores estavam em ótima forma.

As imprensas americana e norueguesa tratavam o embate entre os dois primeiros colocados — Warholm e Benjamin — como uma das maiores atrações do atletismo em Tóquio 2021.

Após a prova, Benjamin disse que essa foi "provavelmente a maior corrida da história das Olimpíadas". No total, seis recordes foram batidos na prova, entre recordes regionais, nacionais e o mundial.

Alison já vinha demonstrando bom desempenho nas semifinais, no fim de semana, quando se classificou com 47s31, estabelecendo naquele dia o recorde brasileiro e sul-americano, que viria a ser novamente batido na final.

Nos últimos seis meses, ele já havia batido o recorde continental em seis ocasiões. Na semifinal em Tóquio 2021, Piu chegou a desacelerar no final da prova, quando viu que sua classificação já estava garantida. Ainda assim, terminou em primeiro.

Quem é Piu?

Aos 21 anos, esta é a estreia do paulista de São Joaquim da Barra (SP) em Olimpíadas. Com 2 metros de altura e 76kg, Alison é atleta do Esporte Clube Pinheiro, da capital paulista.

Ele já foi vice-campeão no Mundial de Revezamento neste ano (4x400m misto), campeão sul-americano em 2019 e ouro nos Jogos Pan-americanos de Lima 2019.

Uma das características físicas mais marcantes do brasileiro são as cicatrizes que possui na cabeça. Alison sofreu um acidente doméstico quando ainda era bebê — aos 10 meses de idade, uma panela com óleo quente caiu em cima dele. Ele ficou internado por dois meses.

Após a prova, Alison comemorou bastante seu bronze, dançando no Estádio Olímpico de Tóquio enrolado em uma bandeira do Brasil — e com motivos de sobra para isso.

O resultado quebrou um jejum de 33 anos do Brasil, que voltou ao pódio em uma prova individual de corrida pista pela primeira vez desde a prata de Joaquim Cruz e o bronze de Robson Caetano em Seul 1988.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos