Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,33 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,59 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    43.272,65
    +645,68 (+1,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,20 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,84 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Alison dos Santos conquista o bronze, 1ª medalha individual do Brasil em provas de velocidade desde 1988

·1 minuto de leitura
TÓQUIO (JAPÃO), 03/08/2021 - Olimpíadas de Tóquio 2020 / Esporte / Atletismo - O atleta Alison dos Santos, nos 400m com barreira, durante competição no Atletismo, realizada no estádio Olímpico na capital japonesa, nesta terça-feira (03).  (Foto: Yuri Hiroshi/Agência Enquadrar/Folhapress)
TÓQUIO (JAPÃO), 03/08/2021 - Olimpíadas de Tóquio 2020 / Esporte / Atletismo - O atleta Alison dos Santos, nos 400m com barreira, durante competição no Atletismo, realizada no estádio Olímpico na capital japonesa, nesta terça-feira (03). (Foto: Yuri Hiroshi/Agência Enquadrar/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com desempenho ruim nas Olimpíadas de Tóquio-2020, o atletismo brasileiro tinha sua maior esperança de pódio com Alison dos Santos. Na final dos 400 m com barreiras, ele era apontado como um dos principais corredores do planeta e não decepcionou.

O brasileiro ficou com o bronze na prova disputada nesta terça-feira (3).

Foi a primeira medalha brasileira individual em provas de velocidade no atletismo olímpico desde o bronze de Robson Caetano nos 200 m em Seul-1988. Depois disso, o país subiu ao pódio apenas com revezamentos, saltos ou corridas de longa distância.

Alison já havia dado sinais de que tinha chances de chegar ao pódio. Primeiro brasileiro a correr a prova abaixo dos 48 segundos, ele quebrou o recorde sul-americano cinco vezes nesta temporada, antes da final olímpica. A última delas foi na semifinal em Tóquio, com 47s31.

Antes mesmo de chegar ao Japão, o corredor era apontado como um dos principais nomes da prova, atrás apenas dos americanos Raj Benjamin e do norueguês Karsten Warholm, recordista mundial, com 46s70.

"Eles são favoritos, mas são oito corredores na final", disse Alison, deixando implícito acreditar que qualquer resultado era possível.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos