Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,26 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,77 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -0,21 (-0,23%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +3,40 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    24.357,45
    -143,68 (-0,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,35 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,22 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,68 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +2,25 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2017
    -0,1220 (-2,29%)
     

Alimentos processados aumentam risco de declínio cognitivo, segundo estudo

Alimentos ultraprocessados (sopas pré-embaladas, molhos, pizza congelada e refeições prontas) podem desencadear o declínio cognitivo, conforme afirma um estudo apresentado na 2022 Alzheimer's Association International Conference.

A ciência já tinha levantado a questão de que alimentos muito gordurosos podem despertar Alzheimer, ansiedade e depressão, e que o consumo de carne processada pode aumentar o risco de demência.
Mas é a primeira vez que se relaciona os alimentos ultraprocessados ​​a uma real contribuição para o declínio cognitivo geral, incluindo as áreas do cérebro envolvidas no funcionamento executivo, ou seja: a capacidade de processar informações e tomar decisões.

O estudo conduzido pela USP acompanhou mais de 10 mil brasileiros por dez anos, com direito a testes cognitivos. Segundo as informações coletadas, no Brasil, os alimentos ultraprocessados ​​representam de 25% a 30% do total de calorias ingeridas. Esse tipo de dieta representa 58% das calorias consumidas pela população dos EUA, 56,8% das calorias consumidas pelos britânicos e 48% pelos canadenses.

Alimentos ultraprocessados ​​envolvem formulações industriais de substâncias alimentares, como óleos, gorduras, açúcares, amido e isolados de proteínas, e contêm pouco ou nenhum alimento integral. Além disso, normalmente incluem aromatizantes, corantes, emulsificantes e outros aditivos.

Alimentos processados aumentam risco de declínio cognitivo, segundo estudo (Imagem: cookelma/envato)
Alimentos processados aumentam risco de declínio cognitivo, segundo estudo (Imagem: cookelma/envato)

O estudo apontou que as pessoas que consumiram mais de 20% das calorias diárias de alimentos processados ​​tiveram um declínio 28% mais rápido na cognição, e um declínio 25% mais rápido no funcionamento executivo. Para comparação, em uma dieta de 2 mil calorias por dia, 20% equivalem a 400 calorias. O menor lanche e a menor batata do McDonalds já superam isso.

"As pessoas precisam saber que devem cozinhar mais e preparar sua própria comida do zero. Vale a pena porque você protegerá seu coração e protegerá seu cérebro de demência ou Alzheimer”, concluem os cientistas por trás do estudo sobre alimentos ultraprocessados e declínio cognitivo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos