Mercado fechará em 2 h 39 min
  • BOVESPA

    114.043,06
    +1.760,78 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.522,94
    +184,60 (+0,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,43
    +1,20 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.750,60
    -28,20 (-1,59%)
     
  • BTC-USD

    44.528,51
    +1.388,64 (+3,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.117,29
    +8,37 (+0,75%)
     
  • S&P500

    4.460,30
    +64,66 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.836,75
    +578,43 (+1,69%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.510,98
    +289,44 (+1,19%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.318,25
    +154,75 (+1,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2126
    +0,0038 (+0,06%)
     

AliExpress abre plataforma para vendedores brasileiros e entra na disputa com Magalu

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A AliExpress anunciou nesta segunda-feira (23) a abertura de sua plataforma para vendedores brasileiros.

Há 11 anos no país, o marketpalce do grupo Alibaba operava, até o momento, somente com serviços de vendas internacionais. Para atrair lojistas, a empresa afirma que irá cobrar comissões de 5% a 8% e ofertar um serviço integrado de logística que vai permitir frete gratuito para todo o país em compras acima de R$ 50.

Os pagamentos para os compradores brasileiros serão feitos via AliPay e Pix. Também há parceiras com a Stone e BTG.

Os chineses chegam com fôlego, com patrocínio do reality show The Masked Singer, da Globo, para entrar na disputa com o maior marketplace do país, o do Magazine Luiza. Mais do que uma disputa por cliente, a briga entre os dois é pelos "sellers", os varejistas que vão integrar o marketplace de cada uma.

Semana passada, a Magazine Luiza anunciou uma campanha de incentivo aos lojistas, com direito a maquininhas de cartão da empresa, e disse que o marketplace da companhia não é "camelódromo".

Yaman Alpata, líder de Local Marketplace na América Latina do AliExpress, diz que a empresa está atenta para a venda sem nota fiscal. "Normalmente, não comentamos falas de competidores, mas posso dizer que a AliExpress coloca importância em compliance e regulamentos do país. Nos adequamos às leis nos locais onde operamos".

Segundo Viviane Almeida, gerente comercial da AliExpress, a empresa só trabalha com vendedores com CNPJ e não aceita pessoas físicas. "Quando o vendedor faz seu registro, é analisado a idoneidade da empresa", afirma. Além de CNPJ, a chinesa também aceita MEI.

Entre os passos que o grupo deu no último ano na expansão da marca no Brasil está o investimento para reduzir o tempo de entrega de produtos. Foi criada uma frota de quatro voos semanais para reduzir a estimativa de entrega para 12 dias em São Paulo.

As entregas nacionais serão feitas pela Cainiao, empresa de logística do grupo Alibaba, que já opera no Brasil. Segundo o grupo, a Cainiao garante repasses financeiros mais rápido que a média do mercado e a possibilidade de saques diários sem custos.

A plataforma chinesa começou a abertura para operações locais em 2019, em países como Turquia e Espanha. O Brasil será o primeiro país das Américas a entrar na modalidade "local to local".

A empresa ainda não tem um centro de distribuição próprio no país mas, segundo Viviane, está nos planos a abertura nos próximos meses. Além da Cainiao, a plataforma faz entregas via Correios, com prazos entre dois e quatro dias.

"A corrida pela entrega rápida é uma questão para todos, e está nas prioridades da AliExpress melhorar este ponto", diz.

A companhia afirma que a privatização dos Correios não afeta a distribuição dos produtos no Brasil, e que busca novos parceiros para fazer a logística no país.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos