Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    48.953,32
    -5.848,01 (-10,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Alibaba usa feriado chinês para enfrentar Black Friday no Brasil

·2 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O AliExpress, ecommerce da gigante Alibaba, aposta no Dia dos Solteiros chinês, em 11 de novembro, para competir com varejistas eletrônicas que já anunciam ofertas para a Black Friday no Brasil.

A empresa deve fretar seis aviões exclusivos para o transporte de mercadorias ao país e anunciou frete gratuito a "muitos produtos" com entrega em até sete dias.

Ao falar com jornalistas nesta terça (9) sobre a expectativa para a data, Yan Di, representante do AliExpress no Brasil, alfinetou a concorrência ao anunciar que seus fretes independem de assinatura.

"Alguns amiguinhos no mercado garantem essa entrega, mas com assinatura, que é cara. A gente garante isso sem custo extra", disse.

Antes, ele havia comparado a participação de mercado do AliExpress, de 32%, com a da americana Amazon, de 16%, segundo a consultoria Conversion.

Yan Di afirmou que os produtos sairão da China e chegarão em aeroportos brasileiros em até sete dias. A cada semana, a companhia freta 80 voos no mundo para clientes de 220 países.

Uma das mudanças em relação a edições passadas do evento é que agora brasileiros também poderão vender na plataforma. Desde agosto, a empresa abriu o marketplace para vendedores nacionais, o que também deve facilitar as devoluções de compras, segundo Yan Di.

As transferências poderão ser realizadas via Pix.

O executivo não falou sobre a abertura de centros de distribuição de ecommerce no Brasil, que eclodiram nos últimos dois anos. Também afirmou que a empresa não comenta especulações ao ser questionado sobre possível interesse do Alibaba na compra dos Correios.

Limitou-se a dizer que está "adorando a cooperação" com a estatal.

Segundo ele, o evento é oito vezes maior que a Black Friday e, somente no ano passado, superou em mais de quatro vezes o faturamento gerado no ecommerce brasileiro durante todo o ano. A última edição movimentou US$ 74,1 bilhões (R$ 407 bilhões) no mundo.

Entre as grandes marcas chinesas, a Xiaomi, de celulares, terá produtos com descontos durante o dia 11. Como na China, a empresa vai promover a data por meio de shows de celebridades, cujos nomes ainda não foram divulgados.

O evento deste ano está ancorado em um discurso de sustentabilidade e inclusão, indo ao encontro da defesa da busca da "prosperidade comum" defendida por Pequim e da campanha de fiscalização do governo sobre as maiores empresas da China, incluindo o Alibaba.

A empresa anunciou em setembro que irá investir 100 bilhões de iuans (US$ 16 bilhões) até 2025 em apoio à prosperidade comum.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos