Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.794,28
    -1.268,26 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,57
    -0,04 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.753,80
    -41,00 (-2,28%)
     
  • BTC-USD

    47.521,74
    -714,07 (-1,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.209,85
    -23,43 (-1,90%)
     
  • S&P500

    4.473,75
    -6,95 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    34.751,32
    -63,07 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.027,48
    +10,99 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.667,85
    -365,36 (-1,46%)
     
  • NIKKEI

    30.323,34
    -188,37 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    15.505,50
    +1,50 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1848
    -0,0112 (-0,18%)
     

Alibaba promete investir em causas de caridade e suas ações afundam na Bolsa

·1 minuto de leitura
Logo da Alibaba (AFP/GREG BAKER)

A gigante chinesa do comércio online Alibaba viu suas ações se afundarem nesta sexta-feira (3), depois de sua promessa de investir 100 bilhões de yuanes (15,4 bilhões de dólares) em causas de caridade em resposta ao apelo do presidente Xi Jinping.

Em agosto, o chefe de Estado pediu aos mais ricos de seus compatriotas que trabalhassem mais em prol da "prosperidade comum", em um país onde o boom econômico das últimas décadas acentuou as desigualdades.

Na mira das autoridades nos últimos meses por diversas razões - desde a coleta abusiva de dados pessoais até as acusações de práticas monopolísticas -, a Alibaba decidiu responder ao apelo.

O grupo "deseja contribuir para a conquista da prosperidade comum", disse em um comunicado Daniel Zhang, executivo da Alibaba.

A gigante do comércio eletrônico anunciou que deseja investir nos âmbitos da inovação tecnológica, das pequenas e médias empresas e inclusive no bem-estar dos trabalhadores precários.

Por conta disso, as ações do grupo caíram 4% na Bolsa de Hong Kong, devido à preocupação dos investidores com as consequências desta iniciativa para a empresa.

"Esta doação não garante que a Alibaba não será afetada por outras medidas reguladoras", disse à Bloomberg News o analista Castor Pang, da empresa Core Pacific Yamaichi.

Os reguladores chineses estão recuperando o controle das empresas tecnológicas após anos de legislação relativamente branda.

Na primavera, a Alibaba foi multada com 2,3 bilhões de euros por prejudicar a concorrência.

lxc/zif/ehl/bt/mab/me/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos