Mercado abrirá em 8 h 44 min
  • BOVESPA

    112.486,01
    +1.576,40 (+1,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.684,86
    +1.510,80 (+3,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,41
    -0,14 (-0,17%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +28,20 (+1,60%)
     
  • BTC-USD

    17.142,52
    +185,35 (+1,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    406,54
    +5,84 (+1,46%)
     
  • S&P500

    4.080,11
    +122,48 (+3,09%)
     
  • DOW JONES

    34.589,77
    +737,24 (+2,18%)
     
  • FTSE

    7.573,05
    +61,05 (+0,81%)
     
  • HANG SENG

    18.856,17
    +258,94 (+1,39%)
     
  • NIKKEI

    28.281,04
    +312,05 (+1,12%)
     
  • NASDAQ

    12.041,00
    -1,25 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4052
    +0,0087 (+0,16%)
     

Alibaba mantém em sigilo número de vendas pelo Dia dos Solteiros

Pela primeira vez, o gigante chinês do comércio eletrônico Alibaba não divulgou os números de vendas do Dia dos Solteiros, em meio a uma desaceleração econômica que afeta a demanda.

Lançado em 2009, o Dia dos Solteiros é o maior festival de compras do mundo, superando em vendas datas similares como Black Friday e Cyber Monday nos Estados Unidos.

Em 2021, o Alibaba vendeu 540,3 bilhões de iuanes (US$ 76,1 bilhões). Este ano, muitos analistas estavam na expectativa para ver se a empresa e outros varejistas poderiam atingir, juntos, o recorde de vendas de um trilhão de iuanes.

Em um comunicado divulgado neste sábado (12), porém, o Alibaba informou apenas que os resultados deste ano estavam "em linha com os do ano passado (...), apesar dos desafios macroeconômicos e do impacto da covid-19", sem dar detalhes.

A nota afirma ainda que cerca de 290.000 marcas participaram da edição de 2022, com diferentes níveis de descontos.

Na sexta-feira, a empresa de pesquisa Syntum disse que plataformas como Alibaba e JD.com tiveram vendas combinadas de 262 bilhões de iuanes entre as 20h de quinta-feira e as 14h (3h em Brasília) de sexta.

A data, que começou como uma festa de consumo desenfreado promovida pelo fundador do Alibaba, Jack Ma, perdeu intensidade nos últimos anos, em meio aos controles de Pequim sobre as plataformas comerciais e à diminuição da cobertura por parte da imprensa estatal.

Os consumidores também apertaram os cintos diante da persistência da estratégia de "covid zero" do governo chinês, que provocou cortes salariais e afetou as cadeias de suprimentos.

O nome da data é uma celebração da solteirice inspirada nos quatro números "1", 11/11, por ser realizada no dia 11 de novembro.

Alibaba deve apresentar seu relatório de lucros a seus acionistas na próxima semana.

prw/cwl/mas/me/tt