Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.465,09
    -59,73 (-0,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Alibaba anuncia perdas de US$ 2,9 bilhões no terceiro trimestre

O gigante chinês do comércio eletrônico Alibaba anunciou, nesta quinta-feira (17), perdas de US$ 2,9 bilhões no terceiro trimestre, em meio à desaceleração da economia chinesa e ao endurecimento das regulamentações.

Seu volume de negócios aumentou, no entanto, 3%, em relação ao ano anterior, chegando a 207,1 bilhões de iuanes (em torno de US$ 28,9 bilhões) no período de julho a setembro.

No trimestre anterior, o Alibaba registrou crescimento nulo de sua receita, pela primeira vez em sua história.

Desde o final de 2020, as autoridades chinesas adotaram uma linha dura contra certas práticas dos gigantes digitais, até então toleradas, no âmbito da coleta de dados pessoais e da concorrência.

Algumas medidas fizeram o setor perder bilhões de dólares em capitalização na bolsa.

Em paralelo, a China luta, há vários meses, contra o ressurgimento da epidemia de covid-19, e a fragilidade das despesas das famílias está pesando nas empresas de comércio eletrônico.

Indicativo dessas dificuldades, o Alibaba foi mais discreto do que o habitual este ano, após o Dia dos Solteiros, um evento comercial muito popular na China que gera enormes vendas on-line, encerrado em 11 de novembro.

Há anos, essas vendas são acompanhadas de uma intensa campanha midiática por parte do Alibaba, com um telão que mostra a evolução do volume de transações realizadas em suas plataformas.

Nesse contexto econômico sombrio, o Alibaba também registrou uma queda de 1% interanual em suas vendas na China durante seu último exercício financeiro. No nível internacional, porém, suas vendas cresceram 4% no ano.

O grupo de Hangzhou (leste da China) demitiu quase 15 mil funcionários, conforme dados obtidos comparando sua força de trabalho com o mesmo trimestre do ano passado.

tjx/pc/meb/tt