Mercado fechará em 1 h 7 min
  • BOVESPA

    108.347,20
    +1.679,55 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.730,99
    -501,21 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,07
    +1,64 (+1,92%)
     
  • OURO

    1.841,30
    +28,90 (+1,59%)
     
  • BTC-USD

    42.118,29
    +557,23 (+1,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    999,40
    +4,65 (+0,47%)
     
  • S&P500

    4.590,59
    +13,48 (+0,29%)
     
  • DOW JONES

    35.393,89
    +25,42 (+0,07%)
     
  • FTSE

    7.589,66
    +26,11 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    24.127,85
    +15,07 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    27.467,23
    -790,02 (-2,80%)
     
  • NASDAQ

    15.274,00
    +68,00 (+0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2025
    -0,1046 (-1,66%)
     

Aliansce torna pública oferta para se unir à brMalls, mas administradora de shopping recusa fusão

·2 min de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A operadora de shopping centers Aliansce Sonae tornou pública na madrugada desta sexta-feira (14) a sua proposta de fusão com a rival brMalls, cujo interesse havia sido anunciado no final de dezembro. Mas hoje mesmo a brMalls descartou o acordo.

Pela proposta de combinação de negócios feita pela Aliansce, os acionistas da brMalls receberiam R$ 1,35 bilhão em dinheiro, equivalente a cerca de 20% do valor de mercado da empresa, além de cerca de 265 milhões de novas ações ordinárias da Aliansce, ou 50% de seu capital social. Com isso, a relação de troca seria de aproximadamente 0,32 ação ordinária da Aliansce para cada ação ordinária da BR Malls.

Dessa forma, a empresa resultante da fusão teria uma composição de 50%-50%.

Em fato relevante publicado horas depois, na manhã desta sexta-feira (14), a brMalls descartou o acordo. Segundo a companhia, o seu conselho de administração decidiu, por unanimidade, recusar a proposta, que havia sido enviada à empresa no último dia 4.

Segundo a brMalls, a proposta "subavalia, consideravelmente, o valor econômico justo" da companhia e de seu portfólio de ativos, não atendendo aos melhores interesses dos acionistas.

A recusa acontece em um momento complicado para a administradora de shoppings. Conforme reportagem do jornal Folha de S.Paulo, os shoppings vão enfrentar este ano muitos testes de estresse: as dúvidas sobre o avanço da pandemia, o ano eleitoral e seus reflexos sobre a confiança do consumidor e especialmente as condições macroeconômicas desfavoráveis, com a massa salarial em queda e a pressão inflacionária.

Ao mesmo tempo, parte das lojas satélites, de até 200 m², começa a migrar para a rua ou para strip malls (como são chamadas galerias a céu aberto), na tentativa de escapar do reajuste do aluguel pelo IGP-M, que em alguns casos chega a 47%.

Com presença em 12 estados e no Distrito Federal, a Aliansce tem 27 shoppings no seu portfólio, entre eles, o Plaza Sul (SP), o Shopping Leblon (RJ) e o Boulevard Shopping Brasília (DF).

Já a brMalls administra 31 shoppings em 12 estados, entre eles, Villa-Lobos (SP), NorteShopping (RJ) e Iguatemi Caxias do Sul (RS).

A Aliansce Sonae tem atualmente um valor de mercado de R$ 5,21 bilhões, enquanto o da brMalls chega a R$ 6,85 bilhões, segundo dados do software de trading e análise financeira Refinitiv Eikon.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos