Mercado fechará em 2 h 7 min
  • BOVESPA

    121.927,11
    +1.578,31 (+1,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.258,38
    +366,10 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,33
    -0,03 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.837,20
    +7,30 (+0,40%)
     
  • BTC-USD

    36.136,84
    +77,96 (+0,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    702,84
    -32,30 (-4,39%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.720,65
    -15,06 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.862,77
    +288,91 (+1,01%)
     
  • NIKKEI

    28.242,21
    -276,97 (-0,97%)
     
  • NASDAQ

    12.808,25
    +6,00 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3614
    -0,0312 (-0,49%)
     

Aliados de Putin na América Latina encomendam vacina Sputnik

Matthew Bristow
·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Sputnik V, vacina contra a Covid-19 desenvolvida por um instituto do governo russo, foi recebida com muito ceticismo por parte de reguladores globais.

Exceto na América Latina. Na Argentina, Venezuela e, agora, na Bolívia - todos sob o comando de presidentes de esquerda que apoiam o líder russo Vladimir Putin -, a Sputnik foi aprovada para uso emergencial. No total, os países já encomendaram mais de 30 milhões de doses da vacina.

No mês passado, a Argentina se tornou o primeiro país além da Rússia a distribuir a vacina Sputnik. E os governos da Nicarágua e de Cuba, também antigos aliados de Putin, disseram que a Rússia poderia começar a produzir a vacina em fábricas locais.

Reguladores em muitos países não estão dispostos a aprovar rapidamente a Sputnik V, mesmo com o sinal verde para as vacinas dos EUA e da Europa. A rápida aprovação da vacina pela Rússia, antes que seus desenvolvedores publicassem dados científicos e depois de apenas alguns ensaios, minou a confiança.

A Rússia diz que as críticas são parte de uma longa campanha de desinformação contra o país, e Putin disse que sua própria filha tomou a vacina.

O Ministério da Saúde da Argentina informou que as primeiras 39.599 vacinações haviam produzido 1.088 reações adversas até 3 de janeiro, como febre e dores de cabeça.

Mais de 15,6 milhões de doses de diversas vacinas em 37 países foram administradas até agora, segundo dados coletados pela Bloomberg.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.