Mercado abrirá em 3 h 23 min
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,49
    +0,58 (+0,82%)
     
  • OURO

    1.861,90
    -17,70 (-0,94%)
     
  • BTC-USD

    39.634,36
    +4.055,48 (+11,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    923,53
    -18,29 (-1,94%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.157,66
    +23,60 (+0,33%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.028,75
    +34,50 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1908
    -0,0018 (-0,03%)
     

Algoritmos podem influenciar decisões políticas e românticas, diz estudo

·1 minuto de leitura

Novos estudos realizados com inteligência artificial, realizados por pesquisadores da Universidade de Deusto, na Espanha, trouxeram uma resposta interessante: algoritmos são capazes de influenciar nas preferências políticas e românticas das pessoas.

A pesquisa foi conduzida para testar a influência dos algoritmos de inteligência artificial em diferentes contextos, contando com participantes que interagiram com algoritmos que promoviam fotos fictícias de candidatos políticos ou de encontros românticos. Então, os voluntários foram questionados para indicar em quem eles votariam ou para quem enviariam uma mensagem. Os algoritmos promoveram alguns candidatos com mais intensidade que outros, seja de forma explícita ou sutil, mostrando algumas fotos com mais frequência.

<em>Imagem: Reprodução/Gerd Altmann/Pixabay</em>
Imagem: Reprodução/Gerd Altmann/Pixabay

Com isso, os testes acabaram revelando que, de fato, os algoritmos possuem uma influência significativa na decisão de participantes na hora de votar ou mandar mensagem para alguém. Os pesquisadores explicam que, na questão política, a manipulação explícita é significativa na influência de decisões, enquanto a influência disfarçada é menos eficaz. Na questão romântica, os resultados são opostos.

O estudo acredita que os resultados do experimento podem refletir na preferência das pessoas por conselhos humanos explícitos quando os assuntos em questão são subjetivos, como encontros amorosos, enquanto preferem conselhos algorítmicos quando o assunto é política.

Com os resultados da pesquisa, os autores também dizem apoiar iniciativas que procuram aumentar a confiança pela inteligência artificial, afirmando que novas pesquisas públicas são necessárias para entender a vulnerabilidade humana aos algoritmos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: