Mercado fechará em 2 h 51 min
  • BOVESPA

    108.540,39
    +603,28 (+0,56%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.345,94
    -544,65 (-1,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,61
    +1,30 (+1,56%)
     
  • OURO

    1.847,00
    +5,30 (+0,29%)
     
  • BTC-USD

    36.660,16
    +2.571,61 (+7,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    833,86
    +13,28 (+1,62%)
     
  • S&P500

    4.320,83
    -89,30 (-2,02%)
     
  • DOW JONES

    33.908,80
    -455,70 (-1,33%)
     
  • FTSE

    7.374,78
    +77,63 (+1,06%)
     
  • HANG SENG

    24.243,61
    -412,85 (-1,67%)
     
  • NIKKEI

    27.131,34
    -457,03 (-1,66%)
     
  • NASDAQ

    14.121,75
    -379,25 (-2,62%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1803
    -0,0484 (-0,78%)
     

Algas do litoral brasileiro podem virar potencial remédio contra leucemia e HIV

·3 min de leitura

Moléculas de algas que se acumulam no litoral brasileiro podem ser usadas no desenvolvimento de potenciais remédios, como fórmulas contra a leucemia e o HIV, segundo pesquisa da Universidade de São Paulo (USP). Durante o estudo preliminar, foram avaliados os potenciais benefícios das algas arribadas, ou seja, aquelas que são carregadas pelo oceano até a costa e que costumam ser reconhecidas pelo mau cheiro.

Hoje, a maioria das prefeituras de regiões costeiras removem e incineram essas algas arribadas e todo o potencial terapêutico é perdido. É o que aponta a tese de doutorado da bióloga Talissa Harb, do Instituto de Biociências (IB) da USP.

Algas brasileiras podem ser aliadas na indústria farmacêutica, integrando medicamentos contra leucemia e HIV (Imagem: Reprodução/Twenty20photos/Envato Elements)
Algas brasileiras podem ser aliadas na indústria farmacêutica, integrando medicamentos contra leucemia e HIV (Imagem: Reprodução/Twenty20photos/Envato Elements)

Durante o estudo, Harb investigou as propriedades químicas e bioativas de extratos naturais de 15 amostras de algas. As amostras foram coletados nos estados do Espírito Santo, Ceará e Paraíba. Além do uso farmacêutico, existem potenciais aplicações para a indústria de alimentos e de cosméticos.

Propriedades das algas

Segundo a pesquisadora, a ideia do estudo era entender as propriedades bioativas e a composição química de macroalgas arribadas do litoral, identificando possíveis aplicações comerciais. “As algas arribadas são um recurso que pode gerar empregos e benefícios econômicos para as comunidades locais e para a indústria comercial”, explica para o Jornal da USP.

Para o projeto, as espécies de algas foram divididas em três principais categorias, determinadas pela cor (pigmento) que apresentavam:

  • Algas pardas: Dictyopteris jolyana, Dictyopteris polypodioides e Zonaria tournefortii;

  • Algas vermelhas: Agardhiella ramosissima, Alsidium seaforthii, Alsidium triquetrum, Osmundaria obtusiloba, Botryocladia occidentalis, Spyridia clavata e Gracilaria domingensis;

  • Algas verdes: Codium isthmocladum.

Potenciais remédios contra HIV e leucemia

Quando a atividade antiviral das substâncias presentes nos extratos das macroalgas foi analisada, a pesquisadora identificou o potencial para o desenvolvimento de futuros medicamentos em diversas espécies.

Por exemplo, o extrato aquoso de Codium isthmocladum e os extratos metanólicos de D. jolyana, Z. tournefortii, Alsidium seaforthii, Spiridia clavata e O. obtusiloba demonstraram ser altamente promissores na inibição da transcriptase reversa. Essa enzima é comumente encontrada em retrovírus — um grupo de vírus de RNA —, como o HIV.

Agora, os extratos de Z. tournefortii, A. seaforthii e C. isthmocladum demonstraram uma alta atividade citotóxica contra cepas de células tumorais de leucemia e de câncer de cólon. A partir dessa descoberta inicial e feita in vitro, novos estudos precisam averiguar, de fato, a capacidade de instrumentalizá-las para o tratamento destas doenças.

Ação antioxidante

Durante o estudo, a bióloga verificou também a atividade antioxidante de algumas dessas algas, principalmente nas espécies de algas pardas. É importante explicar que antioxidantes podem ser usados na prevenção de algumas doenças, como artrite, arteriosclerose e catarata.

Caso a pesquisa avance, as algas brasileiras originariam antioxidantes naturais. Atualmente, a maioria dos antioxidantes usados têm origem sintética e podem apresentar alguns efeitos colaterais, como problemas no fígado e até câncer.

Vale destacar que o estudo recebeu financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico (CNPq), da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e do Ministério Federal da Educação e Pesquisa da Alemanha.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos