Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.664,35
    -786,85 (-0,73%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.102,55
    -339,66 (-0,75%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,19
    -0,04 (-0,05%)
     
  • OURO

    1.668,00
    -0,60 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    19.411,44
    -2,13 (-0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,53
    -2,45 (-0,55%)
     
  • S&P500

    3.640,47
    -78,57 (-2,11%)
     
  • DOW JONES

    29.225,61
    -458,13 (-1,54%)
     
  • FTSE

    6.881,59
    -123,80 (-1,77%)
     
  • HANG SENG

    17.075,67
    -90,20 (-0,53%)
     
  • NIKKEI

    26.053,52
    -368,53 (-1,39%)
     
  • NASDAQ

    11.219,00
    -9,25 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2938
    -0,0042 (-0,08%)
     

Alexandre Frota apresenta projeto para suspender PIX

·1 min de leitura
Alexandre Frota, deputado
Essa não é a primeira vez que um parlamentar pede regulamentação do serviço de transferências instantâneas
(Cleia Viana/Câmara dos Deputados)
  • Alexandre Frota (PSDB-SP) quer suspender o uso do PIX

  • Deputado exige que Banco Central regulamente o serviço para torná-lo mais seguro

  • Segundo ele, os bancos devem se responsabilizar por transferências ilegais

O deputado Alexandre Frota (PSDB-SP) apresentou, nesta quinta-feira (30), um projeto para suspender o uso do PIX até que o Banco Central regulamente o serviço de transferências instantâneas.

Segundo ele, os bancos devem se responsabilizar por transferências ilegais. Nos sete primeiros meses de 2021, houve um aumento de 39,1% no número de sequestros relâmpagos com relação ao mesmo período do ano passado, quando não existia PIX.

“Em substituição ao conhecido crime de saidinha de banco, os criminosos inovaram neste sentido, agora estão sequestrando pessoas, de forma rápida, para que se façam transferências utilizando esta nova ferramenta bancária, o PIX”, disse o parlamentar.

Projetos querem suspender o Pix

Essa não é a primeira vez que um deputado entra com um pedido de suspensão do PIX. No começo de setembro, o deputado Campos Machado apresentou na Assembleia Legislativa de São Paulo (ALESP) um texto que proibia o uso do serviço no estado até que o modelo se tornasse mais seguro.

Na última quinta-feira, 23, o Banco Central anunciou que valerá, a partir do dia 4 de outubro, a regra que estabelece um limite de R$ 1 mil para transferências via PIX entre 22h e 6h.