Mercado abrirá em 9 h 43 min
  • BOVESPA

    119.710,03
    -3.253,98 (-2,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.748,41
    -906,88 (-1,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,57
    -0,51 (-0,77%)
     
  • OURO

    1.818,80
    -4,00 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    49.904,04
    -7.299,82 (-12,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.362,74
    -201,10 (-12,86%)
     
  • S&P500

    4.063,04
    -89,06 (-2,14%)
     
  • DOW JONES

    33.587,66
    -681,50 (-1,99%)
     
  • FTSE

    7.004,63
    +56,64 (+0,82%)
     
  • HANG SENG

    28.011,14
    -219,90 (-0,78%)
     
  • NIKKEI

    27.628,73
    -518,78 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    13.064,00
    +65,50 (+0,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4095
    +0,0040 (+0,06%)
     

Alexandra Gurgel lembra longo caminho para a autoaceitação: "Comecei a me odiar aos 9 anos"

Giselle de Almeida
·2 minuto de leitura
A influenciadora Alexandra Gurgel. Foto: reprodução/Instagram/alexandrismos
A influenciadora Alexandra Gurgel. Foto: reprodução/Instagram/alexandrismos

Resumo da notícia

  • Alexandra Gurgel lembra que ódio ao próprio corpo começou ainda na infância

  • A influenciadora entendeu que precisava ser magra e recorreu a dietas, remédios e lipo

  • Hoje referência para outras mulheres, ela diz que passou a se aceitar apenas com 26 anos

Fundadora do movimento Corpo Livre, a influenciadora Alexandra Gurgel, de 32 anos, hoje é referência para muitas mulheres que buscam aceitar a própria imagem com mais facilidade. Mas nem sempre ser fora dos padrões foi fácil para ela. A preocupação com a magreza começou ainda na infância, e uma consulta com um endocrinologista foi um momento marcante para a carioca.

Do médico, ela ouviu que, se continuasse gorda, ninguém gostaria dela. "Entendi que era feia e precisava ser magra para me tornar interessante", afirmou, em entrevista à revista "Ela", do jornal "O Globo".

Leia também:

A partir desse momento, Alexandra conviveu com dietas para perder peso, medicamentos pesados e se submeteu a uma lipoescultura aos 23, quando conseguiu "as formas de Kim Kardashian". A transformação radical não impediu uma depressão três meses depois da cirurgia. Segundo ela, por perceber que era desejada somente pela aparência.

Depois de tentar tirar a própria vida, a influenciadora deu a volta por cima, com a ajuda da análise e da leituras de obras feministas.

"Foi muito difícil entender como cheguei àquele ponto. Mas me deu força também porque, depois disso, passei a enxergar cada vez mais motivos para estar viva. Eu comecei a me odiar aos 9 anos e parei aos 26", declarou ela, que lança em breve o livro "Comece a se amar".

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Na entrevista, Alexandra também falou sobre o trauma de um relacionamento abusivo com um namorado seis anos mais velho, com quem perdeu a virgindade de forma violenta, aos 18. Hoje, essa ferida também é página virada e ela vive uma relação saudável com a publicitária Carol Caixeta. 

"Antes de me descobrir lésbica, tentei curar a ferida com homens, porque me achava hétero. Também fiquei mais de oito anos sem transar, por questões religiosas [na juventude, Alexandra cogitou ser freira] e por sentir medo", contou.