Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.031,16
    +54,45 (+0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.070,32
    -598,32 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,74
    +0,46 (+0,60%)
     
  • OURO

    1.738,90
    -15,10 (-0,86%)
     
  • BTC-USD

    16.232,84
    -331,73 (-2,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,42
    +0,13 (+0,03%)
     
  • S&P500

    3.963,94
    -62,18 (-1,54%)
     
  • DOW JONES

    33.849,46
    -497,57 (-1,45%)
     
  • FTSE

    7.474,02
    -12,65 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    17.297,94
    -275,64 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    28.162,83
    -120,20 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.613,25
    -169,50 (-1,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5482
    -0,0762 (-1,35%)
     

Alexa e Siri tornam crianças rudes e anti-sociais, revela estudo

Alexa e Siri tornam as crianças rudes e anti-sociais, revela estudo
Alexa e Siri tornam as crianças rudes e anti-sociais, revela estudo
  • Os assistente de voz impactam negativamente no desenvolvimento emocional e cognitivo das crianças;

  • As crianças podem sofrer de “desenvolvimento social impedido” e “oportunidades de aprendizado prejudicadas”;

  • O estudo foi elaborado por pesquisadores da Universidade de Cambridge

De acordo com um novo estudo elaborado por pesquisadores da Universidade de Cambridge, a tecnologia de assistente de voz como Siri da Apple, Alexa da Amazon e o dispositivo Google Home impactam negativamente o desenvolvimento emocional e cognitivo das crianças.

Os dispositivos inteligentes tornam mais provável que as crianças sofram de “desenvolvimento social impedido” e “oportunidades de aprendizado prejudicadas”, de acordo com pesquisadores que publicaram suas descobertas na revista científica dos EUA Archives of Disease in Childhood.

“A falta de capacidade de se envolver em comunicação não verbal torna o uso dos dispositivos um método ruim de aprender interação social”, escreveram os dois pesquisadores que lideraram o estudo, Ananya Arora e Anmol Arora.

O estudo, publicado na terça-feira, afirma que a dependência das crianças da tecnologia de inteligência artificial pode levar a comportamentos anti-sociais e prejudiciais.

Os pesquisadores também disseram que “exigir dicas sociais ao interagir com os dispositivos”, como “Hey Google” ou “Hi Alexa”, pode aumentar o risco de que as crianças atribuam características humanas de comportamento a um objeto inanimado ou animais.

Os dispositivos também não ensinam as crianças a responder com “por favor” e “obrigado”, disse o estudo.

“A maioria da etiqueta social que existe nas interações humanos-humanas convencionais não é replicada ao fazer solicitações com dispositivos digitais”, segundo os autores.

O estudo também citou uma reportagem da BBC News do ano passado, alegando que a assistente de voz Alexa “desafiou” uma menina de 10 anos a esfregar uma moeda contra os pinos de um plugue elétrico meio inserido.

“Conecte um carregador de telefone até a metade de uma tomada de parede e, em seguida, toque um centavo nos pinos expostos”, disse o alto-falante inteligente.

A criança não seguiu as instruções perigosas, disse sua mãe à BBC. A Amazon disse que atualizou seu software e corrigiu o erro depois que tomou conhecimento do incidente.