Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.355,53
    -587,07 (-1,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Alex Quiñonez: Velocista olímpico do Equador é assassinado em meio a onda de violência no país

·1 min de leitura

O velocista olímpico equatoriano Alex Quiñonez, de 32 anos, foi assassinado a tiros na noite desta sexta-feira na cidade de Guayquil em meio a uma onda de violência que assola o país. O Equador está sob toque de recolher após o governo decretar estado de exceção para combater o narcotráfico.

De acordo com testemunhas, citadas pelo jornal El Universo, vários homens usandotrajes parecidos aos da Polícia Nacional chegaram ao local e dispararam contra duas pessoas, uma delas Quiñónez. A outra vítima era um amigo do velocista. A polícia investiga o crime.

Quiñonez foi medalhista de bronze dos 200 metros no Mundial de Doha 2019 e disputou a final da modalidade nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, ocasião em que terminou em sétimo lugar. Ele foi suspenso em julho desse ano por não notificar sobre seu paradeiro para controle de antidoping, o que o impediu de participar da Olimpíada de Tóquio.

O presidente equatoriano Guillermo Lasso expressou suas condolências e disse que o assassinato "não ficará impune". No início deste mês, Lasso decretou estado de emergência de 60 dias devido ao aumento da criminalidade no país.

Este é o segundo assassinato de um atleta olímpico somente neste mês. Na semana passada, a corredora queniana Agnes Jebet Tirop, de 25 anos, atual recordista mundial dos 10 mil metros, foi morta a facadas em sua casa na cidade de Iten, no Quênia. Seu ex-marido Ibrahim Rotiché apontado como o principal suspeito. Ele teria deixado uma carta confessando o crime e chegou a ligar para os pais da vítima pedindo perdão por "um acidente".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos