Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.059,44
    +89,58 (+0,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Alemanha vai estatizar filial local da companhia russa Gazprom

A Alemanha vai nacionalizar a filial local da gigante companhia energética russa Gazprom para evitar a quebra deste fornecedor de gás que o Estado alemão administra desde abril e que está superendividada.

O objetivo é garantir a "segurança do fornecimento de gás" na Alemanha, afirmou o Ministério da Economia em um comunicado.

Esta é a segunda nacionalização de um importante grupo energético na Alemanha em três meses. Em setembro, Berlim fez o mesmo com a Uniper, asfixiada pelos cortes no fornecimento de gás russo.

A empresa Securing Energy for Europe GmbH (SEFE) era conhecida anteriormente como Gazprom Germania. É uma operadora de redes e controla indiretamente a maior instalação de armazenamento de gás da Alemanha, situada na cidade de Rehden, no noroeste do país.

Depois da invasão russa da Ucrânia e da decisão de Moscou de reduzir o fornecimento de energia à Europa, Berlim assumiu o controle da empresa em abril, mas não estava claro quem era o proprietário da companhia.

Como resultado, os parceiros comerciais e os bancos suspenderam as relações comerciais com a empresa ou se mostraram reticentes a iniciar novas, disse o Ministério da Economia da Alemanha.

"Isso coloca em perigo a continuidade das operações comerciais da SEFE e, portanto, o abastecimento de gás", acrescentou.

Como resultado da nacionalização, a Gazprom perde sua participação na empresa, segundo o ministério.

Agora, Berlim vai aportar 225 milhões de euros na empresa, tornando-se assim o "único novo acionista".  "Isso conclui a mudança de propriedade", declarou o Ministério da Economia.

jpl/smk/mar-sag/mb/rpr