Mercado fechará em 1 h 19 min
  • BOVESPA

    109.709,68
    -76,62 (-0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.423,16
    -313,32 (-0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,67
    +0,76 (+1,69%)
     
  • OURO

    1.809,20
    +4,60 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    18.861,76
    -404,88 (-2,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    374,19
    +3,68 (+0,99%)
     
  • S&P500

    3.625,23
    -10,18 (-0,28%)
     
  • DOW JONES

    29.858,25
    -187,99 (-0,63%)
     
  • FTSE

    6.391,09
    -41,08 (-0,64%)
     
  • HANG SENG

    26.669,75
    +81,55 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    26.296,86
    +131,27 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    12.125,50
    +49,50 (+0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3443
    -0,0526 (-0,82%)
     

Alemanha quer iniciar vacinação contra covid-19 ainda neste ano

Bojan Pancevski
·3 minuto de leitura

País pode ser um dos primeiros do Ocidente a começar a imunizar sua população contra o vírus A Alemanha pode ser um dos primeiros países do Ocidente a começar a imunizar sua população contra a covid-19. Um plano para distribuir uma vacina em fase de testes já está sendo desenvolvido pelo governo local, segundo pessoas com conhecimento da estratégia. O plano é que as doses, agora mantidas em um armazém central na Alemanha, sejam enviadas a mais de 60 centros regionais de vacinação horas após a aprovação da substância pelas autoridades responsáveis. Isso pode ocorrer antes do fim do ano, dependendo dos resultados dos ensaios clínicos, que agora estão nos estágios finais, já sob avaliação da Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês). As primeiras pessoas a serem imunizadas seriam profissionais de saúde, idosos, vulneráveis, policiais e pessoas que vivem em condições de superlotação, segundo listas que estão sendo elaboradas pelos governos regionais da Alemanha. O público geral só receberia a vacina meses depois. Os preparativos contrastam com a situação nos Estados Unidos, onde os governadores expressaram preocupações pela falta de respostas da Casa Branca a perguntas críticas, como quantas doses cada região receberá, como elas serão distribuídas e quem seria vacinado inicialmente. Equipamento de pipetagem automática da BioNTech Divulgação/BioNTech Uma razão para que a Alemanha esteja mais avançada é o fato de o país ser sede da BioNTech, uma das pioneiras na busca por uma vacina contra a covid-19. O laboratório está trabalhando em parceria com a americana Pfizer e espera enviar sua vacina para aprovação em novembro. A BioNTech também está trabalhando com as autoridades de saúde regionais alemãs para estabelecer centros de vacinação em todo o país e ter equipes móveis para imunizar pessoas que vivem em asilos ou em áreas rurais remotas, segundo funcionários do governo e da empresa. A companhia ainda treinará profissionais da área médica sobre como armazenar e administrar a vacina. Junto com as autoridades alemãs, a empresa optou por guardar as doses que já estão sendo produzidas em um armazém secreto. Uma das razões que motivou a escolha é que esse tipo de instalação é mais fácil de proteger e monitorar, segundo um funcionário do Ministério da Saúde. Pfizer e BioNTech já estão produzindo milhões de doses da vacina que serão entregues em contratos firmados antes mesmo de o desenvolvimento ser concluído. A companhia alemã diz ser capaz de fornecer as vacinas às autoridades do país horas depois da aprovação. Mas apenas uma quantidade limitada poderá ser entregue nessa fase inicial. Portanto, o governo está correndo para redigir regras que regulem quem será imunizado primeiro. A União Europeia (UE) comprou 200 milhões de doses da vacina de BioNTech e Pfizer. Parte delas serão destinadas à Alemanha, que também firmou um acordo bilateral com as farmacêuticas para receber outras 30 milhões de doses extras. Representantes do governo da Alemanha dizem que levará sete meses para vacinar todos os alemães que quiserem ser imunizados contra a covid-19. Pouco mais de 50% da população estaria disposta a receber uma vacina, de acordo com um estudo do Centro de Economia da Saúde de Hamburgo. As conclusões são similares aos resultados de outras pesquisas em países europeus. “As pessoas que se opõem à vacinação são principalmente aquelas que sentem que sua saúde não está ameaçada pelo coronavírus e aqueles que não confiam na política de informação do governo”, disse o chefe do instituto, Jonas Schreyögg.