Mercado fechará em 46 mins

Alemanha fica sem muitas opções de gás com parada de duto russo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- Um importante gasoduto que fornece gás natural da Rússia para a Europa pode não retornar à capacidade total após a manutenção planejada este mês, disse o Goldman Sachs, ecoando as preocupações de autoridades alemãs.

O Nord Stream 1 está programado para fechar para obras de 11 a 21 de julho, apertando mais ainda um mercado que viu os preços dispararem nas últimas semanas. Com Moscou já tendo reduzido os fluxos através do duto para apenas 40% da capacidade, qualquer movimento para reter os suprimentos por mais tempo prejudicaria severamente os esforços da Europa de se reabastecer para o inverno.

“Embora inicialmente assumimos uma restauração completa dos fluxos após seu próximo evento de manutenção, não vemos mais isso como o cenário mais provável”, disseram analistas do Goldman em nota. O banco elevou suas previsões de preço do gás na Europa no próximo ano, citando riscos crescentes para o fornecimento.

A Europa enfrenta sua crise de energia mais grave em décadas. A Rússia - o maior fornecedor da região - restringiu os embarques em meio às crescentes tensões ligadas à guerra na Ucrânia. O gás é negociado no nível mais alto em quase quatro meses, e algumas das principais concessionárias buscam resgates financeiros enquanto os países se apressam para se reabastecer.

A Agência Internacional de Energia na terça-feira avisou que um corte completo nos fluxos “não pode ser descartado” dado o “comportamento imprevisível” da Rússia.

Enquanto o Goldman vê uma interrupção total nas entregas como improvável - uma vez que reduziria as receitas de Moscou - o banco elevou sua previsão para os preços de referência de gás no terceiro trimestre para 153 euros por megawatt-hora, ante 104 euros anteriormente. Os preços podem subir acima de 200 euros em um “pior cenário” para os embarques do Nord Stream, disse.

A Alemanha, a maior economia da Europa, disse no mês passado que a queda nos fluxos através do Nord Stream dificultaria o cumprimento das metas de estocagem. Autoridades em Berlim expressaram preocupações que o gasoduto pode não voltar à capacidade normal após os trabalhos programados.

A Alemanha já se prepara para mais interrupções. O país reduziu sua dependência energética da Rússia - que respondeu por mais da metade de suas importações de gás no ano passado - comprando mais gás natural liquefeito e importando combustível da Noruega a todo vapor.

No entanto, existem limites para a quantidade de GNL que pode ser importada, pois leva tempo para construir terminais para receber o combustível, e há competição com a Ásia pelo fornecimento. No curto prazo, possíveis greves em vários campos importantes podem restringir os embarques da Noruega.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos