Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.022,09
    -101,24 (-0,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Alemanha fecha Boystown, rede de pornografia infantil com 400 mil membros

Felipe Gugelmin
·2 minuto de leitura

Autoridades alemãs anunciaram nesta segunda-feira (3) que encerraram uma das maiores redes de pornografia infantil do mundo. Conhecida como “Boystown” (Cidade dos Garotos, em uma tradução livre), a plataforma baseada na darknet foi criada em junho de 2019 e possuía mais de 400 mil usuários ao redor do mundo.

Quatro cidadãos alemães com idades entre 40 a 64 anos foram presos — um deles no Paraguai —, sendo que pelo menos 3 deles são acusados de trabalhar junto com a administração da plataforma. Segundo autoridades locais, pelo menos 7 edifícios relacionados às atividades do grupo foram revistados durante a ação ocorrida na metade de abril.

Além deles, outro homem suspeito de compartilhar mais de 3,5 mil publicações foi preso, acusado de ser o membro mais ativo da plataforma. A Boystown era uma usada principalmente por pedófilos que compartilhavam imagens de crianças, principalmente garotos — os promotores envolvidos no caso afirmam que muito do material coletado mostra abusos severos ocorridos em todas as partes do mundo.

Imagem: Reprodução/Dr StClaire - Pixabay
Imagem: Reprodução/Dr StClaire - Pixabay

A investigação liderada pela Alemanha foi conduzida durante vários meses em cooperação com a Europol e forças policiais de países como Estados unidos, Canadá, Suécia, Austrália e Holanda. Segundo a promotora Julia Busswieler afirmou à CTV News, a plataforma trazia canais de voz em diversos idiomas para facilitar a comunicação entre seus membros.

Além de propiciar o compartilhamento de fotos e vídeos, a plataforma da darknet também permitia que seus frequentadores trocassem informações sobre a maneira mais segura e discreta de acessá-la. A ação foi bem-sucedida em encerrar as atividades da Boystown, bem como de outras redes que propagavam materiais com características semelhantes.

“Isso mostra uma mensagem clara: se você cometer ofensas contra os mais fracos, você não vai estar mais a salvo”, afirmou o Ministro do Interior da Alemanha, Horst Seehofer, em uma declaração reproduzida pelo site TechXplore. “Estamos responsabilizando os perpetradores e fazendo tudo que é humanamente possível para proteger crianças de crimes tão repugnantes”, complementou.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: