Mercado fechará em 27 mins
  • BOVESPA

    117.233,74
    +1.003,62 (+0,86%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.697,70
    -348,88 (-0,76%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,71
    +1,19 (+1,38%)
     
  • OURO

    1.726,40
    -4,10 (-0,24%)
     
  • BTC-USD

    20.220,27
    +108,00 (+0,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    458,49
    +0,08 (+0,02%)
     
  • S&P500

    3.799,02
    +8,09 (+0,21%)
     
  • DOW JONES

    30.402,35
    +86,03 (+0,28%)
     
  • FTSE

    7.052,62
    -33,84 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.685,00
    +44,25 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1173
    -0,0506 (-0,98%)
     

Alemanha estreia 1ª frota de trens movidos a hidrogênio do mundo

A Alemanha começou a operar a primeira frota de trens de passageiros movidos a hidrogênio do mundo. No total, são 14 veículos que devem substituir locomotivas a diesel nos 100 km de linhas ferroviárias que ligam as cidades de Cuxhaven, Bremerhaven, Bremervorde e Buxtehude, na região norte do país.

Um sistema novo de reabastecimento de hidrogênio permite que cada locomotiva percorra trajetos mais longos com baixo nível de ruído, emitindo apenas vapor e água condensada durante seu funcionamento, uma característica essencial para cumprir as metas de descarbonização do setor ferroviário alemão.

“Os trens movidos a hidrogênio limpo se tornaram uma maneira promissora para reduzir as emissões de carbono a médio prazo, substituindo progressivamente o óleo diesel que ainda alimenta 20% das viagens em toda a Alemanha”, explica o CEO da Alstom — empresa fabricante dos trens — Henri Poupart-Lafarge.

Emissão “quase” zero

Os trens livres de óleo diesel, que fazem parte da nova frota alemã, misturam o hidrogênio contido em um tanque a bordo com o oxigênio presente no ar. Uma célula de combustível instalada no teto dos veículos produz toda a eletricidade necessária para puxar os vagões.

Trens movidos a hidrogênio têm autonomia de 100 km (Imagem: Reprodução/Alstom)
Trens movidos a hidrogênio têm autonomia de 100 km (Imagem: Reprodução/Alstom)

Segundo especialistas, apenas o chamado “hidrogênio verde” é de fato livre de carbono, com suas moléculas sendo separadas a partir de um processo químico conhecido como eletrólise. No caso dos trens alemães, o hidrogênio utilizado para abastecer as locomotivas é um subproduto derivado da transformação de combustíveis fósseis, como o gás natural.

“Nossa expectativa é que esse elemento passe a ser produzido por eletrólise em Bremervorde a partir do terceiro ano, em um parque solar ou eólico projetado para esse fim. Inicialmente, essa medida deve aumentar a proporção de uso de “hidrogênio verde” nos trens para 35%”, acrescenta Lafarge.

Outras iniciativas

O grupo alemão Siemens, em parceria com a empresa ferroviária Deutsche Bahn, também conta com um projeto parecido. Os testes com trens movidos totalmente a hidrogênio — com aproximadamente 800 km de autonomia — devem começar a partir de 2024 e durar por pelo menos mais um ano.

Embora a Alemanha tenha anunciado em 2020 um plano ambicioso para se tornar líder em tecnologias de produção de hidrogênio em uma década, a falta de infraestrutura no continente europeu e a dependência do gás produzido na Rússia, podem atrasar o desenvolvimento de um transporte ferroviário livre de carbono.

“Agora temos que estabelecer uma infraestrutura de hidrogênio correspondente, criando as condições tecnológicas para produzir e transportar hidrogênio verde de forma econômica. Infelizmente, ainda estamos nos primórdios desse desenvolvimento”, encerra o gerente de negócios da Siemens Energy Martin Schneider.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: