Mercado abrirá em 3 h 49 min
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,94
    +0,74 (+0,95%)
     
  • OURO

    1.768,80
    +5,10 (+0,29%)
     
  • BTC-USD

    16.895,87
    +434,32 (+2,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    401,55
    +12,82 (+3,30%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    18.626,16
    +421,48 (+2,32%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.538,25
    +13,50 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4703
    +0,0137 (+0,25%)
     

Alemanha está 'pronta para pagar multas' por críticas ao Catar

A Alemanha, que se manifestou a favor dos direitos humanos durante a Copa do Mundo, está "pronta para pagar as multas" por seus posicionamentos, declarou o presidente da Associação Alemã de Futebol (DFB), nesta sexta-feira (18).

"Se houver sanções financeiras, a título pessoal estou pronto para pagar as multas", disse Bernd Neuendorf, que comanda a instituição.

A preparação para o torneio, que começa no domingo (20), foi tomada pela preocupação em respeito aos direitos dos trabalhadores, das mulheres e da comunidade LGBTQIA+ no emirado.

Manuel Neuer, goleiro e capitão da equipe alemã, juntamente com capitães de outras seleções europeias, se comprometeu a utilizar a braçadeira "One Love", que celebra a diversidade e inclusão.

O gesto "não é político, tem um valor de compromisso a favor dos direitos humanos. Não descartamos realizar outras ações", disse Neuendorf em resposta às declarações da Fifa sobre o assunto, acrescentando que é necessário "enviar uma mensagem forte".

"Dizer que não deveríamos nos concentrar nos direitos humanos durante a Copa do Mundo realmente me irritou", reforçou.

A entidade máxima do futebol, através de um pronunciamento do presidente Gianni Infantino, sugeriu que as 32 seleções participantes "se concentrem no futebol" e pediu às equipes que não "dessem mais lições de moral".

Recentemente, a Fifa proibiu a Dinamarca de treinar com camisas em apoio aos direitos humanos.

Neuendorf reiterou que a Federação Alemã não apoia a candidatura do dirigente à reeleição na presidência da entidade, em votação que acontece em março de 2023. No cargo desde 2016, o dirigente é o único candidato ao posto.

A Alemanha, tetracampeã em Copas do Mundo, faz sua estreia no torneio no dia 23 de novembro, contra o Japão.

dwi/cd/dam/psr/yr