Mercado abrirá em 3 h 23 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,03
    +0,28 (+0,47%)
     
  • OURO

    1.726,10
    -7,50 (-0,43%)
     
  • BTC-USD

    51.210,50
    +2.193,79 (+4,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.024,65
    +36,55 (+3,70%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.697,74
    +83,99 (+1,27%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.163,50
    +108,25 (+0,83%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8704
    +0,0083 (+0,12%)
     

Alemanha está disposta a ajudar a Rússia com vacina Sputnik V

·1 minuto de leitura
A chanceler alemã, Angela Merkel

A Alemanha está disposta a ajudar a Rússia, apesar das tensões atuais, a desenvolver sua vacina Sputnik V contra a covid-19, declarou nesta quinta-feira (21) a chanceler Angela Merkel.

"Deixando de lado todas as nossas diferenças políticas, que atualmente são importantes, podemos, no entanto, trabalhar juntos no contexto de uma pandemia, no campo humanitário", explicou a chanceler em entrevista coletiva.

As autoridades russas iniciaram o processo de homologação na União Europeia (UE) da Sputnik V e esperam um "primeiro exame (dos documentos enviados) para fevereiro".

Nesse contexto, Merkel propôs que o instituto federal alemão Paul-Ehrlich, responsável pela regulamentação de medicamentos, "apoie a Rússia" em sua demanda perante a Agência Europeia de Medicamentos (EMA).

"E se essa vacina for aprovada pela EMA, poderemos então falar sobre a produção conjunta e também sobre o seu uso", acrescentou Merkel.

No início de janeiro, o presidente russo Vladimir Putin confidenciou que havia discutido com a chanceler alemã sobre a possibilidade de uma "produção conjunta de vacinas" contra a covid-19.

Berlim e Moscou têm vários pontos de atrito, entre eles o caso do opositor russo Alexei Navalny, que foi tratado na Alemanha após o que vários países consideraram uma tentativa de envenenamento, antes de retornar à Rússia em 17 de janeiro e ser preso.

A vacina foi aprovada na Rússia em agosto, o que gerou críticas internacionais devido a um anúncio considerado prematuro, antes dos ensaios de Fase 3 e da publicação de resultados científicos.

Putin afirmou em 13 de janeiro que a Sputnik V é "a melhor" vacina do mundo e ordenou que a inoculação em massa fosse iniciada na Rússia.

hmn-mat/smk/age/mb/mr