Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    113,89
    -0,31 (-0,27%)
     
  • OURO

    1.822,90
    +14,70 (+0,81%)
     
  • BTC-USD

    30.083,11
    -889,82 (-2,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    667,04
    +424,36 (+174,87%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.464,80
    +46,65 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    19.950,21
    +51,44 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    26.547,05
    +119,40 (+0,45%)
     
  • NASDAQ

    12.236,75
    -146,00 (-1,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2805
    +0,0214 (+0,41%)
     

Alemanha é o país mais amigável para criptomoedas, diz estudo

·1 min de leitura
Alemanha se tornou o país mais amigável para criptomoedas, ultrapassando Singapura. Foto: Getty Images.
Alemanha se tornou o país mais amigável para criptomoedas, ultrapassando Singapura. Foto: Getty Images.
  • A Alemanha ultrapassou Singapura e se tornou o país amigável para o mercado de criptomoedas;

  • A informação é da edição mais recente do relatório Coincub Global Crypto Ranking, que se refere ao primeiro trimestre de 2022;

  • O Brasil ocupa a 42ª posição da lista.

A Alemanha ultrapassou Singapura e se tornou o país amigável para o mercado de criptomoedas, de acordo com a edição mais recente do relatório Coincub Global Crypto Ranking, divulgada nesta semana, e que se refere ao primeiro trimestre de 2022.

O estudo classificou 46 países em um ranking baseado em diversos fatores, como o número de ofertas iniciais de moedas (ICOs, na sigla em inglês) de cada país, a prevalência de casos de fraude e a disponibilidade de cursos sobre criptografia por instituições líderes.

Leia também:

Na lista de 2021, a Alemanha havia ficado em quarto lugar. A mudança aconteceu depois que KuCoin, uma exchange de criptomoedas, divulgou um relatório em março no qual demonstrava que 16% da população alemã, dos 18 aos 60 anos, possuía criptomoedas ou havia negociado nos últimos seis meses.

De acordo com o estudo, o fator que fez o país crescer foi a postura “inovadora” dos bancos de poupança em procurar oferecer uma carteira para negociar criptomoedas. A decisão foi noticiada pela primeira vez em dezembro.

Singapura foi para a segunda posição da lista após o governo local ter estipulado restrições para publicidade de criptomoedas e serviços relacionados.

O Brasil agora ocupa a 42ª colocação. No último trimestre de 2021, o país esteve em 11° lugar. De acordo com o estudo, a mudança brusca de posição se deu pela fake news disseminada no ano passado de que o bitcoin teria sido cogitado como moeda de curso legal.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos