Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.968,69
    +519,59 (+0,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Alemanha corta perspectiva de crescimento para 2021; eleva projeção para 2022

·1 min de leitura
Fábrica de aço em Duisburg, Alemanha

BERLIM (Reuters) - O governo alemão reduziu nesta quarta-feira sua previsão de crescimento para este ano a 2,6%, embora tenha elevado sua estimativa para o próximo ano a 4,1%, conforme gargalos na oferta de semicondutores e custos crescentes de energia atrasam a recuperação na maior economia da Europa.

Confirmando informações noticiadas anteriormente pela Reuters, o ministro da Economia da Alemanha, Peter Altmaier, disse que a economia permanece robusta, apesar da pandemia de Covid-19, mas problemas na cadeia de abastecimento da manufatura e um salto nos preços de energia estão complicando a recuperação.

"Em vista dos atuais gargalos na oferta e dos altos preços de energia em todo o mundo, a espichada final que esperávamos não acontecerá este ano", disse Altmaier. "Em 2022, a economia ganhará impulso significativo."

O atraso na recuperação significa que a economia alemã não atingirá seu patamar pré-crise em 2021, mas, provavelmente, no início de 2022.

A previsão anterior do governo alemão para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), de abril, era de avanço 3,5% em 2021 e 3,6% em 2022.

Os gargalos generalizados na produção, aliados à demanda excepcionalmente alta, estão levando a aumentos nos preços, com o governo esperando que a inflação acelere para 3% este ano.

Mas o país mantém sua avaliação de que a maior parte dos aumentos de preços será temporária. O governo vê a inflação dos preços ao consumidor arrefecendo para 2,2% em 2022 e 1,7% em 2023. No ano passado, a inflação nacional dos preços ao consumidor foi de 0,5%.

(Por Michael Nienaber)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos