Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.624,69
    -1.011,70 (-0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.085,84
    -409,57 (-0,90%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,30 (+0,57%)
     
  • OURO

    1.868,30
    +28,10 (+1,53%)
     
  • BTC-USD

    35.264,80
    +864,83 (+2,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    699,34
    -1,27 (-0,18%)
     
  • S&P500

    3.853,78
    +54,87 (+1,44%)
     
  • DOW JONES

    31.161,54
    +231,02 (+0,75%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    29.962,47
    +320,19 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.523,26
    -110,20 (-0,38%)
     
  • NASDAQ

    13.309,75
    +324,25 (+2,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4271
    -0,0715 (-1,10%)
     

Alemanha bate recorde de mortos por coronavírus e volta a se confinar

·3 minuto de leitura

A Alemanha entrou nesta quarta-feira em um novo confinamento parcial, que poderá durar mais do que o esperado, diante da preocupante propagação da pandemia de covid-19 e da explosão do número de mortos, que alcançou um nível recorde nas últimas 24 horas.

Um total de 952 pessoas morreram nas últimas 24 horas e o país também registrou 27.728 novos casos confirmados de covid-19, segundo o instituto de vigilância epidemiológica Robert Koch.

O número de contágios se aproximou do recorde de quase 30.000 casos de sexta-feira passada. O recorde anterior de mortes em apenas um dia era 11 de dezembro, com quase 600 vítimas fatais.

Diante da pressão gerada pela crise, autoridades decidiram anunciar a data de início da vacinação contra a doença: 27 de dezembro. A campanha começará pelos lares de idosos, segundo comunicado oficial.

- Quase 5 mil leitos disponíveis -

A situação das Unidades de Terapia Intensiva é cada vez mais preocupante 83% dos leitos de reanimação das clínicas alemãs estão ocupados, segundo a Federação de Medicina Intensiva (Divi). Ainda há quase 5.000 leitos disponíveis, contra 9.000 de meados de outubro. 

Assim como outros países europeus, a Alemanha decidiu ampliar as restrições de viagens antes do Natal. 

No Reino Unido, pubs, restaurantes e hotéis de Londres terão que fechar pela terceira vez este ano, a Dinamarca aplica um confinamento parcial em todo o país e a Holanda decretou um fechamento de cinco semanas, que começou na terça-feira. 

A França, onde bares, restaurantes e centros culturais estão fechados desde o fim de outubro, aplica um toque de recolher entre 20h00 e 6h00.

Na Alemanha, o cenário atual contrasta com a primeira onda da pandemia, no primeiro semestre, que o país conseguiu administrar bem.

- 'Fique em casa' -

Os alemães retomaram nesta quarta-feira o confinamento parcial, que recorda as medidas aplicadas durante várias semanas na primavera (hemisfério norte, outono no Brasil), com o fechamento das escolas e dos estabelecimentos comerciais não essenciais.

As autoridades desejam aplicar pelo menos até 10 de janeiro o princípio 'fique em casa' em todo o país, de acordo com o texto da resolução aprovada no domingo em uma reunião entre a chanceler Angela Merkel e os governantes dos 16 estados regionais.

Os contatos sociais serão muito restritos entre 24 e 26 de dezembro. As reuniões serão autorizadas apenas entre parentes muito próximos.

As celebrações de Ano Novo serão reduzidas ao mínimo, com a proibição das vendas de fogos de artifício e das reuniões. As medidas têm o objetivo de evitar o colapso do sistema hospitalar.

Em várias cidades, a população correu para fazer as compras de Natal antes do fechamento das lojas. "Espero que as compras de segunda-feira e terça-feira não nos penalizem", disse Angela Merkel. "A curva (de infecções) é muito ruim", advertiu a chanceler durante reunião com parlamentares da bancada conservadora. "A vacina nos ajudará, mas a evolução da pandemia continua sendo imprevisível", completou, enquanto o governo pressiona a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) para que valide o mais rápido possível a vacina dos laboratórios Pfizer-BioNTech.

Um funcionário da Associação Médica Mundial, Frank Ulrich Montgomery, disse que espera medidas de confinamento "ao menos até a Páscoa".

ys/ylf/jhd/zm/bl/fp/lb