Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.786,30
    +2.407,38 (+2,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.736,48
    +469,28 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,88
    +1,82 (+4,23%)
     
  • OURO

    1.804,50
    -33,30 (-1,81%)
     
  • BTC-USD

    18.958,57
    +506,61 (+2,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    376,44
    +6,69 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.635,41
    +57,82 (+1,62%)
     
  • DOW JONES

    30.046,24
    +454,97 (+1,54%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.078,75
    +173,50 (+1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3898
    -0,0505 (-0,78%)
     

Alemanha avaliará novas restrições contra a covid-19 em reunião com governadores

Valor
·1 minuto de leitura

País registrou no sábado o maior número de casos registrados desde o início da pandemia O governo da Alemanha pretende discutir a aplicação de novas medidas para conter a segunda onda de casos de covid-19 em uma reunião que deve ocorrer na quarta-feira (28). O encontro terá a presença da primeira-ministra do país, Angela Merkel, e dos 16 governadores regionais. Segundo o jornal alemão “Bild”, Merkel disse hoje, durante um encontro com líderes da União Democrática Cristã (CDU), partido liderado por ela, que a situação da Alemanha é “difícil” e “altamente dinâmica”. No sábado, a Alemanha registrou 14.714 novos casos, um recorde desde o início da pandemia. Hoje, quase 8,7 mil novas infecções foram detectadas pelo Instituto Robert Koch, responsável pela divulgação dos números da pandemia no país. Por causa do avanço da doença, duas regiões na Baviera - Rottal-Inn e Berchtesgaden - decretaram um novo “lockdown” de duas semanas. O Estado, onde vivem mais de 12,8 milhões de pessoas, é o segundo mais populoso da Alemanha. Assim como os governos de outros países europeus, Merkel quer evitar um novo confinamento nacional por causa dos efeitos econômicos provocados pela medida. Um novo “lockdown” poderia atrapalhar a recuperação da maior economia da Europa. Comércio vazio em Berchtesgaden, cidade que teve de decretar um novo lockdown após aumento dos casos AP Photo/Matthias Schrader