Mercado fechará em 1 h 58 min
  • BOVESPA

    100.663,13
    +1.990,88 (+2,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.258,44
    +516,94 (+1,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,14
    +2,52 (+2,34%)
     
  • OURO

    1.823,80
    -6,50 (-0,36%)
     
  • BTC-USD

    20.728,51
    -534,54 (-2,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    451,47
    -10,33 (-2,24%)
     
  • S&P500

    3.898,69
    -13,05 (-0,33%)
     
  • DOW JONES

    31.421,27
    -79,41 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.258,32
    +49,51 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    22.229,52
    +510,46 (+2,35%)
     
  • NIKKEI

    26.871,27
    +379,30 (+1,43%)
     
  • NASDAQ

    12.043,25
    -97,25 (-0,80%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5324
    -0,0200 (-0,36%)
     

Alemanha aumentará uso de usinas a carvão após cortes de gás russo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A Alemanha tomará medidas de emergência para garantir seu fornecimento de energia diante dos recentes cortes nas entregas de gás russo, o que implicará recorrer mais ao carvão - anunciou o governo neste domingo (19).

"Para reduzir o consumo de gás, tem que usar menos gás para produzir eletricidade. Em seu lugar, deve-se usar mais as usinas a carvão", declarou o Ministério da Economia em um comunicado.

O governo reage, assim, aos anúncios desta semana do gigante russo Gazprom sobre a redução das entregas de gás, através do gasoduto Nord Stream, no contexto da guerra na Ucrânia e da queda de braço no setor de energia entre os países ocidentais e Moscou.

Essa medida é uma guinada de 180 graus para o governo de coalizão alemão, que inclui ambientalistas e que prometeu abandonar o uso do carvão no país até 2030.

"É amargo, mas é indispensável reduzir o consumo de gás", disse o ministro da Economia, o ambientalista Robert Habeck, em um comunicado.

O pacote de medidas anunciado neste domingo prevê, ainda, um sistema de “leilões” para a venda de gás para as indústrias, o que permitiria, segundo Berlim, reduzir o consumo do poderoso setor manufatureiro alemão.

"A segurança do abastecimento está garantida", mas "a situação é grave", resumiu Habeck.

Esta semana, a Gazprom cortou em 40% suas entregas via Nord Stream, e depois em 33%, alegando um problema técnico. Para o governo alemão, trata-se, no entanto, de uma "decisão política", no contexto do apoio dos países ocidentais à Ucrânia na guerra contra a Rússia.

fcz/pz/es/bl/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos