Mercado fechará em 2 h 46 min
  • BOVESPA

    109.081,48
    +1.702,55 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.632,04
    +364,84 (+0,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,93
    +1,87 (+4,34%)
     
  • OURO

    1.803,50
    -34,30 (-1,87%)
     
  • BTC-USD

    19.326,03
    +874,06 (+4,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    382,75
    +12,99 (+3,51%)
     
  • S&P500

    3.621,92
    +44,33 (+1,24%)
     
  • DOW JONES

    29.963,60
    +372,33 (+1,26%)
     
  • FTSE

    6.414,08
    +80,24 (+1,27%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    11.998,25
    +93,00 (+0,78%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4052
    -0,0351 (-0,55%)
     

Alemanha apoia adiar tarifas de US$ 4 bilhões contra EUA

Birgit Jennen e Bryce Baschuk
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Alemanha tenta restaurar as relações comerciais transatlânticas e cogita uma abordagem mais conciliatória, que levaria a União Europeia a adiar tarifas que têm como alvo US$ 4 bilhões em produtos dos EUA já na terça-feira, segundo uma autoridade com conhecimento dos planos do governo.

A Alemanha vai discutir a questão na segunda-feira em reunião dos ministros de Comércio da UE, onde Berlim pretende apoiar a retomada das relações do bloco com os EUA, em vez de intensificar o conflito comercial de 16 anos, que envolve subsídios ilegais para a Boeing e Airbus, disse a autoridade, que pediu para não ser identificada. A Comissão Europeia, que tomará a decisão sobre as tarifas, defende as taxas.

A possível mudança de estratégia chega em um momento delicado para a UE, que adotou novas restrições para conter a propagação da Covid e tenta sair da pior recessão da história. A batalha comercial com os EUA, que já atingiu a UE com tarifas sobre US$ 7,5 bilhões em exportações por causa da disputa, não poderia vir em pior momento para o bloco.

“Precisamos de um grande e amplo acordo tarifário industrial entre os EUA e a UE”, disse o ministro da Economia da Alemanha, Peter Altmaier, na segunda-feira. “Essa oferta está sobre a mesa e é mais do que justo darmos ao governo dos Estados Unidos a oportunidade de se preparar para ela após a posse”, disse o ministro na segunda-feira à rádio Deutschlandfunk.

O ministro de Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, disse no fim de semana que seu governo faria “propostas concretas” ao governo de Washington sobre como melhorar o relacionamento e que um “novo acordo” era necessário.

No ano passado, os EUA impuseram tarifas à UE depois de vencerem uma disputa na Organização Mundial do Comércio por causa de ajuda ilegal concedida à Airbus, com sede em Toulouse, na França. Essa decisão levou o governo Trump a impor tarifas de 15% sobre as aeronaves Airbus e taxas de 25% sobre uma série de exportações europeias, incluindo vinho francês, uísque escocês e azeitonas espanholas.

Trump prometeu retaliar e “atacar com muito mais força” se a UE seguisse em frente com a própria ameaça tarifária. No mês passado, a OMC deu luz verde ao bloco de 27 países para avançar com as tarifas devido a subsídios indevidos à Boeing, que tem sede em Chicago.

A decisão sobre o prazo de quaisquer tarifas será, em última instância, tomada pela Comissão Europeia, a autoridade executiva do bloco. Valdis Dombrovskis, comissário de Comércio da UE, disse que o bloco seguirá em frente com os planos.

“Os EUA impuseram suas tarifas após a decisão da OMC no caso da Airbus, agora temos uma decisão da OMC também no caso da Boeing, permitindo-nos impor nossas tarifas e é isso que estamos fazendo”, disse Dombrovskis na segunda-feira antes da videoconferência com os ministros de Comércio, acrescentando que a UE pode suspender ou retirar as tarifas a qualquer momento.

Empresas na Alemanha, cujo comércio bilateral com os EUA soma US$ 252 bilhões anualmente, pediu que o governo da chanceler Angela Merkel evite agravar o problema depois de quatro anos de disputas com Trump.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.