Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.555,19
    +1.159,84 (+3,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Além da bandeira: confira os estados com aumento na conta de luz

·1 minuto de leitura
  • O reajuste chega a mais de 9% em alguns estados

  • A região mais afetada é a atendida pela CERIPA, no estado de São Paulo

  • Inflação e despesas com distribuição de energia estão entre os motivos para o aumento

Não é só a bandeira vermelha que vai deixar a conta de luz mais cara em alguns estados. Além do valor no patamar 2 já ter tido um aumento de mais de R$ 3,00 por 100 kWh consumidos, os usuários também terão de lidar com a elevação no preço da energia devido ao reajuste anual das companhias elétricas. Os repasses ao consumidor variam de 1,28% até 15,29%.

Leia também:

São 14 estados em que haverá acréscimo na conta de luz, dos quais se destacam São Paulo, Minas Gerais e Paraná. Nestas regiões, os reajustes são de mais de 9%, com as áreas atendidas pela companhia CERIPA no estado de São Paulo sendo as mais afetadas com um aumento de 15,29%.

Das empresas que subiram o preço da conta de luz, a Energisa e a Enel são as que o fizeram em mais locais, com aumentos variando de 4,04% até 9,84%. A Cemig, que atende parte do estado de Minas Gerais, é a companhia com menor elevação, com 1,28%.

Os motivos pela subida de preço variam por empresa. Dentre eles, estão os efeitos da inflação, encargos de PIS/COFINS e despesas com transporte e distribuição de energia.

Os aumentos foram aprovados pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) após a análise das propostas apresentadas pelas companhias elétricas em audiência pública. 

As informações são do UOL.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos