Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.208,83
    +536,07 (+0,48%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.250,46
    -152,24 (-0,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,25
    +1,29 (+1,55%)
     
  • OURO

    1.785,30
    +14,80 (+0,84%)
     
  • BTC-USD

    66.486,36
    +2.567,53 (+4,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.550,92
    +70,12 (+4,74%)
     
  • S&P500

    4.531,75
    +12,12 (+0,27%)
     
  • DOW JONES

    35.575,00
    +117,69 (+0,33%)
     
  • FTSE

    7.223,10
    +5,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.374,00
    -24,50 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4654
    -0,0308 (-0,47%)
     

Dupla vence o Nobel de Química por nova ferramenta de construção de moléculas

·3 minuto de leitura
Os vencedores do Nobel de Química, o alemão Benjamin List (E) e o americano David MacMillan (AFP/Jonathan NACKSTRAND)

O Prêmio Nobel de Química foi atribuído nesta quarta-feira (6) ao alemão Benjamin List e ao escocês que mora nos Estados Unidos David MacMillan pelo desenvolvimento de uma nova ferramenta de construção de moléculas, o que deixou a Química mais "verde" e melhorou a pesquisa farmacêutica.

Os dois cientistas, ambos de 53 anos, foram premiados pelo desenvolvimento em 2000 da catálise assimétrica (ou organocatálise), um novo tipo de catalisador revolucionário, que avançou a uma "velocidade prodigiosa" desde então, explicou o júri do Nobel em Estocolmo.

Os catalisadores são mecanismos fundamentais para os químicos.

Mas durante muito tempo os cientistas pensavam que havia apenas dois tipos de catalisadores disponíveis: os metais e as enzimas.

De maneira independente um do outro, List e MacMillan, desenvolveram um terceiro tipo, utilizando "pequenas moléculas orgânicas" como a prolina, e permanecem na vanguarda nesta área, destacou o júri.

Ao contrário dos metais e das enzimas, a prolina é o mecanismo "sonhado" pelos químicos: é uma molécula muito simples, barata e que respeita o meio ambiente.

"Isto muda a situação porque representa uma nova ferramenta", afirmou Peter Somfai, membro da Real Academia de Ciências. "No xadrez, seria como introduzir uma nova peça no tabuleiro com novas regras de jogo".

Graças à organocatálise, os pesquisadores do setor farmacêutico podem fabricar grandes quantidades de moléculas diferentes, de forma relativamente simples, criando por exemplo de forma artificial.

"É uma grande surpresa", reagiu o alemão, ao ser contactado por telefone pela Fundação Nobel.

"Pensei que alguém estava fazendo uma piada. Estava tomando café com minha esposa", disse o cientista alemão.

Ele explicou que no período da premiação, a esposa brinca que ele deveria ficar de olho no telefone para uma ligação da Suécia. "Mas hoje nós nem fizemos a piada", disse List.

"É difícil descrever o que você sente no momento, mas foi um momento muito especial que eu nunca vou esquecer", completou.

- "Muito especial" -

MacMillan é professor da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, enquanto List é diretor do Instituto Max Planck na Alemanha.

MacMillan afirmou que também pensou que o objetivo era uma brincadeira e disse que voltou a dormir quando começou a receber textos da Suécia.

"Quando olhei para a capa do site do New York Times e vi minha fotografia, quase caí da cadeira", contou MacMillan à AFP.

"A parte da qual estamos muito orgulhosos é que não faz falta ter grandes quantidades de equipamento e grandes quantidades de dinheiro para fazer coisas boas na química", destacou.

"Muitas áreas de pesquisa e indústrias dependem da capacidade dos químicos de construir moléculas que podem formar materiais elásticos e duráveis, armazenar energia em baterias ou inibir a progressão de doenças", afirmou o Comitê Nobel da Real Academia de Ciências da Suécia em um comunicado.

"Este trabalho exige catalisadores, que são substâncias que controlam e aceleram as reações químicas, sem fazer parte do produto final", acrescentou.

No ano passado, o prêmio foi atribuído a Emmanuelle Charpentier (França) e Jennifer Doudna (EUA), por suas pesquisas sobre as "tesouras moleculares", um avanço revolucionário para modificar os genes humanos.

Nenhuma mulher foi premiada em ciências neste ano, um caso frequente inclusive na história recente do Nobel (2019, 2018, 2016 entre outros).

A temporada do Nobel, que anunciou os vencedores de Medicina e Física na segunda-feira e terça-feira, prossegue na quinta-feira com o prêmio de Literatura e na sexta-feira com o da Paz. A categoria Economia é a última, na próxima segunda-feira (11).

Por causa da crise sanitária, pelo segundo ano consecutivo os vencedores receberão o prêmio em seus países de residência, mas ainda há uma pequena esperança de que o Nobel da Paz seja entregue em Oslo.

map/hdy/es/zm/fp/aa/rpr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos