Mercado fechará em 16 mins

Alckmin ganha força como possível ministro da Fazenda

*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 01.06.2019 - Entrevista do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 01.06.2019 - Entrevista do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin, voltou a liderar entre os nomes considerados por Lula para ocupar a chefia do Ministério da Fazenda.

Embora oficialmente tenha negado a intenção de delegar um ministério a seu vice, Lula se vê diante de um xadrez.

De um lado, o petista quer ter uma pessoa de sua confiança e com habilidade para negociar com o Congresso. De outro, não encontra no seu grupo mais próximo alguém com perfil adequado, e bom trânsito no mercado, para chefiar um time de economistas do porte de André Lara Resende e Pérsio Arida.

Resende foi um dos pais das privatizações de FHC e Arida, mentor do plano Real.

Até o momento, Alckmin é o único capaz de congregar à sua volta uma equipe desse calibre.

A segunda opção, ainda segundo interlocutores de Lula, seria Alexandre Padilha, que durante a campanha se aproximou do empresariado e teve um resultado considerado "excepcional" pelo petista.

Padilha, no entanto, vem sendo cogitado para comandar a Saúde. Fernando Haddad, outro fiel escudeiro do presidente eleito, vem sendo considerado para a Educação. Nenhum dos dois, entretanto, gostaria de chefiar as respectivas pastas, ainda segundo interlocutores de Lula.

O problema desse movimento de peças é que Lula pensa em ter um ministro "político" em áreas estratégicas –como Economia, Educação e Saúde–, cercado por um secretariado de excelência, com nomes técnicos e de reputação incontestável.

Outra indicação de que Alckmin tem grandes chances de ser o ministro é a concentração de temas relevantes da economia em suas mãos, mesmo comandando a equipe de transição. Nas reuniões de discussão, ele anota tudo e explora os assuntos buscando detalhes.

Coube a ele, por exemplo, a articulação no Congresso pela aprovação da PEC da Transição, uma licença para a retirada de despesas de cunho assistencialista do teto (regra que corrige os gastos de um ano pela inflação do ano anterior).

Nesta terça-feira (15), Alckmin também teve uma reunião com Felipe Salto, atual secretário de Fazenda de São Paulo. Há cerca de dez dias, o próprio vice sondou o economista para saber se aceitaria fazer parte da equipe econômica. Ele é cotado para ser secretário do Tesouro.

Interlocutores de Alckmin e integrantes da transição afirmam que Salto sinalizou positivamente caso receba um convite. Até lá, fica inviabilizada sua transferência para Brasília para trabalhar na transição, cuja sede foi montada no Centro Cultural Banco do Brasil.

Sem sucesso, o deputado federal Vicente Cândido (PT-MG) chegou a pedir que Salto antecipasse sua saída da Secretaria de Fazenda de São Paulo já para a próxima semana.

No encontro desta terça-feira, Alckmin quis ter a avaliação de Salto sobre a proposta de nova âncora fiscal –que prevê a troca do teto de gastos por uma regra mais flexível.

O secretário de SP defende a revisão do teto, que está na mesma direção da proposta que ele e um grupo de especialistas estão desenvolvendo. Fazem parte desse time advogados e economistas, como Fernando Scaff, Eduardo Walmsley Carneiro e José Roberto Afonso.

Salto estima que o estouro do teto neste ano deve ser da ordem de R$ 150 bilhões. No seu lugar, ele apoia a proposta apresentada pelos técnicos do Tesouro com regras que atrelam a Dívida Líquida do Governo Geral ao crescimento das despesas.